Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Fumaça é vista após um ataque aéreo israelense à cidade de Rafah, sul da Faixa de Gaza

(afp_tickers)

Israel analisava nesta terça-feira a proposta do Egito para uma trégua, uma semana após o início da ofensiva do Exército hebreu contra a Faixa de Gaza, enquanto o Hamas exigia um acordo completo para um cessar-fogo.

O Egito propôs na noite de segunda-feira uma iniciativa para acabar com o conflito na Faixa de Gaza, pedindo a israelenses e palestinos que parem com as hostilidades às 06h00 GMT (03h00 de Brasília) de terça.

A iniciativa egípcia prevê uma "parada total das hostilidades aéreas, marítimas, ou terrestres" das duas partes e a abertura de negociações sobre a entrada de bens no território palestino sob bloqueio.

O movimento islâmico Hamas, no poder na Faixa de Gaza, informou que recusará qualquer cessar-fogo que não inclua um acordo completo sobre o conflito, segundo seu porta-voz, Fawzi Barhum.

"Um cessar-fogo sem alcançar um acordo está excluído. Em tempos de guerra não se faz um cessar-fogo para depois negociar", afirmou Barhum à AFP.

O Hamas exige a suspensão dos bombardeios, o fim do embargo comercial vigente desde 2006, a abertura de um posto de fronteira entre Rafah e o Egito e a libertação de prisioneiros.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, convocou uma reunião do gabinete de segurança para a manhã desta terça-feira, para "examinar seriamente" a proposta do Egito, disse à AFP um alto responsável israelense.

Segundo o jornal "Haaretz", Netanyahu é favorável ao cessar-fogo proposto pelo Egito" e pedirá aos ministros do gabinete de Segurança que votem a favor da trégua.

O Egito se predispôs a receber, por 48 horas - após a entrada em vigor da trégua -, delegações palestinas e israelenses de alto nível para abrir as discussões em seu território.

Na madrugada desta terça, a Liga Árabe apelou a israelenses e palestinos para que aceitem a proposta do Egito e suspendam os ataques.

O departamento americano de Estado celebrou a proposta egípcia para um cessar-fogo esperando "que isto leve ao restabelecimento da calma o mais rápido possível", segundo a porta-voz Jen Psaki.

O secretário americano de Estado, John Kerry, deve chegar ao Cairo nesta terça-feira para promover o cessar-fogo e segundo Psaki, "está muito comprometido nas conversações" com Netanyahu e com o presidente palestino, Mahmud Abbas.

"Os Estados Unidos estão comprometidos em trabalhar com eles e com nossos sócios regionais visando uma solução para esta situação perigosa e volátil", acrescentou Psaki.

- Ofensiva de Israel deixa 186 mortos -

Os ataques aéreos israelenses contra a Faixa de Gaza deixaram 186 mortos e 1.287 feridos em uma semana, de acordo com o último balanço de vítimas fornecido pelos serviços de emergência, superando o registrado durante a ofensiva de novembro de 2012.

Nesta segunda-feira, ao menos doze palestinos, incluindo duas crianças, foram mortos nos ataques e um homem e uma mulher morreram em decorrência de ferimentos sofridos no domingo.

Este conflito já é mais letal do que a ofensiva de novembro de 2012, que também teve como objetivo impedir os disparos de foguetes a partir de Gaza: 177 palestinos e seis israelenses foram mortos em uma semana.

Nesta segunda, um jovem de 17 anos morreu ao ser atingido por um míssil na cidade de Khan Yunis (sul), segundo o porta-voz dos serviços de emergência, Ashraf al-Qudra.

Na mesma área, um homem de 37 anos morreu quando um míssil caiu perto de um grupo de pessoas.

Um ataque contra uma casa em Deir al-Balah (centro) matou um homem de 60 anos, e outros dois foram mortos em ataques separados no enclave palestino.

Os últimos ataques aéreos visaram o sul do território e deixaram três mortos, incluindo uma criança de 4 anos em Rafah, segundo Al-Qudra. As outras duas vítimas morreram em Khan Yunes.

O Centro Palestino para os Direitos Humanos (PCHR), com sede em Gaza, anunciou no domingo que mais de 75% das vítimas eram civis.

Além disso, a Agência da ONU para Ajuda aos Refugiados Palestinos (UNRWA) ressaltou nesta segunda a grande quantidade de crianças entre as vítimas.

"Tudo indica, o que é dramático, que as mulheres e as crianças representam a grande maioria das vítimas dos bombardeios aéreos. Atualmente, um quarto das mortes é de crianças", lamentou em Gaza o diretor da UNRWA, Pierre Krahenbuhl.

Desde o início da operação, quatro israelenses foram feridos pelos foguetes disparados pelo Hamas, mas nenhuma pessoa foi morta.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP