Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Cenário de uma explosão ocorrida em Bagdá

(afp_tickers)

Um australiano de 18 anos foi o responsável por um atentado suicida na última quinta-feira no Iraque, que matou diversas pessoas, anunciaram nesta segunda-feira autoridades de Sydney.

O ataque, próximo a uma mesquita, em Bagdá e reivindicado pelo grupo jihadista Estado Islâmico, deixou diversos mortos, incluindo o jovem, que deixou Melbourne (sul da Austrália) no ano passado para viajar para a região.

O grupo jihadista referiu-se ao jovem como Abu Bakr al-Australi em sua conta no Twitter, segundo veículos da imprensa.

"Esse é um acontecimento preocupante e é mais um exemplo da situação perigosa e volátil que vive o Iraque" afirmou o promotor-geral George Brandis em um comunicado, onde confirmou que o jovem era australiano.

"O governo lamenta as ações violentas realizadas pelo EI e outros grupos extremistas no Iraque e na Síria, e está extremamente preocupado com a implicação de australianos nessas atividades", ressaltou Brandis.

"Como foi dito em várias ocasiões, é ilegal para australianos envolverem-se no conflito no Iraque e na Síria, e o governo pede aos australianos que não viajem a essa região", diz o texto.

O comunicado acrescentou que esse é o segundo caso de um australiano envolvido em um ataque suicida em um dos dois países, mas não deu mais detalhes.

AFP