Navigation

Missão eleitoral da OEA inicia trabalhos na Bolívia neste final de semana

Apoiadores do candidato presidencial da Comunidade Cidadã, Carlos Mesa, exibem faixas de campanha em La Paz, 7 de outubro de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 09. outubro 2020 - 22:19
(AFP)

A missão da Organização dos Estados Americanos (OEA) que observará as eleições gerais de 18 de outubro na Bolívia começará seus trabalhos neste final de semana, informou o órgão regional nesta sexta-feira (9).

Os integrantes da missão começarão a chegar a La Paz de forma escalonada a partir de sábado, embora o grupo, formado por 40 especialistas e observadores de 12 nacionalidades, também trabalhe remotamente devido à pandemia covid-19, informou a OEA em um comunicado.

O ex-chanceler da Costa Rica, Manuel González, que chefia a missão, participará das reuniões por videoconferência, enquanto o Secretário para o Fortalecimento da Democracia da OEA, Francisco Guerrero, conduzirá os trabalhos no terreno.

A OEA, que observa eleições na Bolívia desde 1966, enviará observadores às cidades de La Paz, El Alto, Santa Cruz e Cochabamba, e na Argentina, Espanha e Estados Unidos para monitorar o voto dos bolivianos no exterior.

A missão entregará seu relatório preliminar após as eleições presidenciais e legislativas, que foram adiadas três vezes este ano devido à crise de saúde.

A Bolívia retornará às urnas após a votação de 20 de outubro de 2019 ter sido anulada depois que uma auditoria da OEA apontou para uma "manipulação maliciosa" em favor do então presidente Evo Morales (2006-2019), que buscava um quarto mandato. Ele acabou renunciando e se refugiando fora do país.

Nesta semana, o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, lembrou as irregularidades que constatou a missão eleitoral da entidade e que uma auditoria posterior da OEA confirmou, e defendeu um processo pacífico que daria aos bolivianos um presidente "democraticamente eleito e legítimo".

As eleições na Bolívia também serão observadas pela União Europeia e haverá uma missão de acompanhamento da ONU.

De acordo com pesquisa divulgada nesta sexta-feira, o esquerdista Luis Arce, o golfinho de Morales, lidera as pesquisas com 33,6%, ante 26,8% de seu principal rival, o ex-presidente do centro Carlos Mesa. O direitista Luis Fernando Camacho tem 13,9%, em uma campanha marcada pela polarização entre seguidores e detratores de Morales. Caso no dia 18 de outubro nenhum candidato ultrapasse 50% dos votos, ou tenha uma vantagem de pelo menos 10 pontos ao segundo, será realizado um segundo turno eleitoral no dia 29 de novembro.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.