Navigation

Monsanto investigou 600 pessoas na França e Alemanha

A Monsanto é filial do grupo químico alemão Bayer afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 17. junho 2019 - 16:42
(AFP)

Filial do grupo químico alemão Bayer, a Monsanto investigou 600 pessoas ilegalmente, na França e na Alemanha, para conhecer suas posições sobre os organismos geneticamente modificados e sobre o glifosato - anunciou o grupo nesta segunda-feira (17).

"Até o final da semana passada, todas as pessoas que estão nas listas na França e na Alemanha foram contactadas", afirmou a Bayer, em sua conta no Twitter.

"No total, trata-se de 600 pessoas", acrescentou.

A Monsanto criou listas de políticos, cientistas e jornalistas que classificavam em função de sua opinião sobre os pesticidas e os organismos transgênicos, assim como em função de sua suposta facilidade de serem influenciados.

Também houve listas desse tipo na Itália, na Holanda, na Polônia, na Espanha e no Reino Unido, assim como com membros das instituições europeias.

A Justiça francesa abriu uma investigação por suspeitas de "coleta de dados pessoais por meios fraudulentos, desleais, ou ilícitos".

As listas são de 2016, antes de a Bayer comprar a Monsanto. Essa operação foi concluída no ano passado, por 63 bilhões de dólares.

Desde essa operação, a Bayer enfrenta ainda vários processos judiciais nos Estados Unidos pelo Roundup, um pesticida à base de glifosato, acusado de provocar câncer.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.