Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ícone da música grega, a cantora Nana Mouskouri festejou seus 80 anos em 14 de julho de 2014 com uma apresentação aos pés da Acrópole, em Atenas

(afp_tickers)

Ícone da música grega, a cantora Nana Mouskouri festejou seus 80 anos nesta segunda-feira com uma apresentação aos pés da Acrópole, em Atenas.

No mesmo lugar, em 2008, Nana havia feito sua apresentação de despedida - um adeus que a fez adoecer e a convenceu de que seu lugar é, de fato, nos palcos.

"Vou ser franca: há seis anos, no Odeão de Herodes Ático, tratava-se de uma despedida. Naquela época eu estava sentindo o peso da idade, me sentia deslocada do mundo atual (...) Mas isso me fez muito mal", revelou a cantora ao jornal Kathimerini.

Em duas longas entrevistas à imprensa grega, Nana Mouskouri - nascida em 1934 em Chania, segunda maior cidade da ilha de Creta - deixou transparecer suas falhas, melancolias e mágoas. Revelações que contrastam com o imaculado perfil da diva de indefectíveis óculos pretos.

"Sentimento de desespero, de inutilidade", sua saída dos palcos após 50 anos de uma carreira de sucesso em todos os continentes não somente a deprimiu, mas também a deixou doente. "Eu ia ao médico todos os dias (...), meu corpo reclamava, minha coluna estava me matando", contou.

Até tomar a decisão de voltar à cena por ocasião de seus 80 anos, comemorados de fato em outubro. A turnê começou no final de 2013 na América do Sul, quando se apresentou em Porto Alegre. Também passou por Paris, Canadá e até 2015 mais de vinte espetáculos estão previstos.

O show desta segunda-feira no espetacular teatro antigo situado aos pés da Acrópole foi sua única apresentação durante o verão no hemisfério norte. Nana Mouskouri, que colaborou com o compositor francês Michel Legrand e o americano Quincy Jones, esteve acompanhada por sua filha Lenou para revisitar um variado repertório que vai de canções gregas a árias clássicas, passando pelo jazz.

"A voz envelhece como o rosto ou os cabelos. Ela perde o vigor. A minha também passou por essa transformação, mas ela ainda é firme e eu alcanço as mesmas notas que antigamente", explicou a cantora à revista To Vima.

Nana Mouskouri é uma das artistas com mais álbuns vendidos no mundo, cerca de 350 milhões, em 12 idiomas. Conhecida mundialmente pelo repertório variado interpretado numa tonalidade cristalina, a cantora iniciou sua carreira nos anos 1950.

AFP