Navigation

Nova York impõe novas restrições para evitar segunda onda de coronavírus

(28 setembro) Funcionários de restaurantes e outros protestam em frente ao gabinete do governador de Nova York contra as medidas aplicadas aos estabelecimentos para conter a pandemia afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 06. outubro 2020 - 21:16
(AFP)

O governador Andrew Cuomo anunciou nesta terça-feira uma série de restrições em várias áreas da cidade de Nova York e de seus subúrbios, para tentar evitar uma segunda onda do novo coronavírus, que já matou 23,8 mil pessoas na cidade.

Cuomo ordenou o fechamento do comércio não essencial, como restaurantes e academias, em algumas áreas dos distritos do Queens e Bronx. Também proibiu aglomerações e limitou a 10 o número de pessoas que podem entrar em templos nas chamadas "zonas vermelhas", onde há surtos de coronavírus.

As restrições entrarão em vigor a partir de amanhã e serão revisadas em 14 dias. Elas representam um passo atrás na reabertura de Nova York, epicentro da pandemia nos Estados Unidos em abril e maio, quando foram registrados mais de 700 mortos por dia no estado, cifra que caiu para menos de 10 nas últimas semanas.

Segundo o governador, os surtos em algumas regiões da cidade ocorrem porque a população não respeitou as regras de distanciamento social e uso de máscara. "Não é hora de estar cansado. O vírus não usa máscara", criticou Cuomo durante entrevista coletiva, após anunciar, ontem, que escolas públicas e privadas de nove bairros de Nova York irão fechar temporariamente.

Em todas as regiões afetadas vivem grandes comunidades de judeus ortodoxos, que celebraram recentemente o Rosh Hashanah e o Yom Kipur e, muitas vezes, são reticentes quanto ao uso da máscara.

Na totalidade do estado, a taxa de testes positivos de Covid-19 permanece baixa, em 1,2%.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.