Navigation

OMS descarta que máscaras sejam 'solução milagrosa' contra coronavírus

Mulher com máscara envia mensagem pelo celular em Praga, 6 de abril de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 06. abril 2020 - 16:20
(AFP)

A OMS descartou que as máscaras sejam "a solução milagrosa" para coibir a pandemia de COVID-19 e seu amplo uso na população só é justificado quando o acesso à água para lavar as mãos é limitado ou é difícil manter a distância física.

"Não há resposta binária, nem solução milagrosa. Máscaras por si só não podem parar a pandemia de COVID-19", enfatizou o diretor da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante uma coletiva de imprensa online nesta segunda-feira (6).

Além disso, seu uso deve ser reservado aos profissionais de saúde devido à escassez. Para os demais, somente no caso de falta de água ou alta densidade demográfica, acrescentou.

Desde seu surgimento na China, em dezembro, a pandemia de COVID-19 causou mais de 70.000 mortes em todo o mundo, 50.000 delas na Europa, e oficialmente infectou 1,25 milhão de pessoas.

Até o momento, a OMS indicou que não é necessário que pessoas saudáveis usem máscara, a menos que estejam em contato com os pacientes.

No entanto, estudos citados por academias americanas de ciências parecem concordar com a hipótese de que o vírus possa ser transmitido pelo ar, entre pessoas que falam ou respiram e não apenas por gotículas projetadas ao espirrar ou pelo contato com superfícies contaminadas.

Ainda assim, a OMS se mantém cautelosa a respeito.

A cantora americana Lady Gaga participou ao vivo de uma coletiva de imprensa para anunciar um concerto que será transmitido na televisão e online no dia 18 de abril "em apoio aos profissionais de saúde na linha de frente" contra a pandemia.

O show contará com Andrea Bocelli, Chris Martin, David Beckham, Elton John, John Legend, Keith Urban, Lang Lang, Paul McCartney, Priyanka Chopra Jonas, Shah Rukh Khan e Stevie Wonder.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.