Navigation

OMS está otimista com evolução do ebola na RDC

A Organização Mundial da Saúde (OMS) indicou nesta terça-feira (11) estar otimista em relação à evolução da epidemia de ebola na República Democrática do Congo (RDC), embora se mantenha cautelosa quanto ao risco de intensificação da doença afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. fevereiro 2020 - 19:57
(AFP)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) indicou nesta terça-feira (11) estar otimista em relação à evolução da epidemia de ebola na República Democrática do Congo (RDC), embora se mantenha cautelosa quanto ao risco de intensificação da doença.

Apesar de a atenção mundial estar voltada ao novo coronavírus (Covid-19), que surgiu na China, "não podemos esquecer do ebola", alertou à imprensa o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Um comitê de urgência, integrado por especialistas da OMS, se reunirá na quarta-feira em Genebra para chegar a um consenso se a epidemia de ebola continua sendo considerada uma emergência de saúde global.

"Estamos muito otimistas em relação a tendência atual", que apresentou "apenas três casos registrados durante a semana passada e nenhum outro nos três últimos dias", explicou.

De qualquer forma, "mesmo que não haja casos durante um período de 42 dias, não significa que a epidemia acabou", ressaltou.

"É um grande momento, mas devemos nos manter prudentes", indicou, chamando a atenção para a situação de frágil segurança que ainda existe na RDC.

Declarada em agosto de 2018, a epidemia de Ebola surgiu em Mangina, e está causando estragos em Kivu do Norte e Ituri. Ao todo foram registradas cerca de 2.300 mortes.

Tedros informou que viajará à RDC na próxima quinta-feira para se reunir com o presidente Felix Tshisekedi e discutir, entre outros assuntos, o fortalecimento do sistema de saúde do país.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.