Navigation

Oposição e governo da Venezuela retomarão diálogo em Barbados nesta semana

Juan Guaidó, líder da oposição venezuelana, fala em uma universidade de Caracas em junho de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. julho 2019 - 21:39
(AFP)

A oposição e o governo venezuelano retomarão nesta semana o diálogo promovido pela Noruega, anunciaram neste domingo o chefe parlamentar Juan Guaidó e delegados do presidente Nicolás Maduro, indicando que a nova tentativa acontecerá na ilha caribenha de Barbados.

"Nos dirigimos ao país e a comunidade internacional, a fim de anunciar que em atenção à mediação do Reino da Noruega (...) se assistirá a uma reunião com representantes do regime usurpador em Barbados, para estabelecer uma negociação de saída da ditadura", afirmou Guaidó em comunicado.

Reconhecido como presidente interino por mais de 50 países, o líder opositor insistiu que as negociações buscam abror caminho para "o fim da usurpação" de Maduro e um governo de transição que convoque "eleições livres".

Os diálogos em Oslo para resolver a crise política e socioeconômica no país petroleiro foram congelados depois que Guaidó denunciou o "assassinato" - em 29 de junho - do capitão Rafael Acosta Arévalo, preso após ser relacionado a um suposto planp de magnicídio.

"As partes se reunirão nesta semana em Barbados para avançar na busca de uma solução acordada e constitucional para o país. As negociações acontecerão de maneira continua e ágil", informou a Noruega em um texto divulgado neste domingo.

Concordando com as denúncias de complô contra seu governo, Maduro assegurou em 27 de junho que o diálogo com a oposição "vai continuar" e prometeu avançar "em acordos verificáveis" pela "paz da Venezuela".

Durante o tradicional desfile de 5 de julho para celebrar a independência da Venezuela, Maduro afirmou que na próxima semana haverá "boas notícias" em torno das negociações iniciadas em maio na Noruega.

No domingo, durante a cerimônia de formatura de 966 novos oficiais, o presidente venezuelano afirmou que as Forças Armadas, consideradas a principal base de apoio de seu governo", gozam de boa saúde revolucionária" e "lealdade".

"Agora há Forças Armadas para defender a Venezuela, que ninguém se engane", disse Maduro.

Setores da oposição são críticos com o diálogo por considerar que o presidente busca "ganhar tempo".

Entretanto, Guaidó pediu a seus apoiadores para não cederem a "intrigas", garantindo que a principal motivação das negociações é "pôr fim ao sofrimento dos venezuelanos".

O líder opositor argumentou que receberão em Caracas ao representante especial da União Europeia para a Venezuela, Enrique Iglesias, "como parte da ofensiva internacional" contra Maduro.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.