Navigation

Pfizer/BioNTech confirma eficácia muito alta da vacina contra a variante sul-africana da covid

Vacina contra covid-19 da parceria Pfizer-BioNTech afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. abril 2021 - 13:31
(AFP)

A vacina Pfizer/BioNTech conserva uma eficácia muito alta contra a variante sul-africana do coronavírus, segundo os resultados dos ensaios clínicos na África do Sul, anunciaram as duas empresas nesta quinta-feira (1º).

Não foram observados casos de covid-19 na África do Sul em pessoas vacinadas durante o ensaio de fase 3 que rastreou os participantes até seis meses depois de sua segunda injeção, segundo um comunicado conjunto.

Neste país, "800 participantes foram recrutados, foram observados nove casos de covid-19, todos no grupo placebo, o que indica uma eficácia de 100% da vacina", explica a aliança Pfizer/BioNTech.

Esses são "os primeiros resultados clínicos que comprovam que uma vacina pode proteger efetivamente contra as variantes atualmente em circulação, fator essencial para alcançar a imunidade coletiva e acabar com esta pandemia para a população mundial", explica Ugur Sahin, CEO e co-fundador da BioNTech.

A Pfizer e a BioNTech estimaram em janeiro, a partir de testes in vitro, que embora fosse "inferior" à resposta observada contra a cepa comum do vírus, "a alta eficácia" da vacina não parecia afetada contra a variante sul-africana.

Os dados dos ensaios clínicos corroboram esses resultados, segundo o comunicado de imprensa desta quinta-feira.

Dos 46.307 participantes nos ensaios de fase 3 em vários países, a vacina mostrou uma eficácia de 91,3%, segundo a mesma fonte.

Dos 927 casos sintomáticos de covid-19 no estudo, 850 casos correspondem a pacientes do grupo placebo e 77 casos ao grupo vacinado.

Os laboratórios Pfizer e BioNTech esperam fabricar em 2021 até 2.500 milhões de doses de sua vacina, uma das quatro aprovadas na União Europeia.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?