Navigation

Polícia venezuelana dispersa protesto opositor em Caracas

Apoiador de Guaidó enfrenta gás lacrimogêneo lançado pelas forças de segurança em Caracas afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 10. março 2020 - 19:30
(AFP)

A polícia de choque fez uso de gás lacrimogêneo para dispersar, nesta terça-feira, uma manifestação em Caracas liderada pelo opositor Juan Guaidó para exigir eleições presidenciais na Venezuela.

A coluna de milhares de manifestantes foi contida pela polícia e, quando Guaidó tentava dialogar com os agentes para fazer a marcha continuar, os disparos de gás lacrimogêneo foram efetuados.

"Hoje essa manifestação não representa a Venezuela, representa a ditadura", disse o chefe parlamentar, escoltado por legisladores opositores, diante da parede formada pelas forças de ordem que portavam escudos antimotim, fechando a via.

Um veículo blindado bloqueava o caminho para chegar ao Palácio Federal Legislativo, previsto como ponto final da manifestação opositora, que tinha teve como ponto inicial uma praça situada a menos de um quilômetro dali.

A grande maioria dos milhares de manifestantes deixaram o local, enquanto outros com rostos cobertos respondiam aos gases com pedras, como presenciou a AFP.

Mais cedo, o mandatário interino de 36 anos, em cima de uma caminhonete e com um megafone, dizia à multidão que "hoje começa uma etapa de luta que será mantida até obter resultados".

A convocatória de Guaidó para esta terça tinha como objetivo chegar à Assembleia Nacional - único poder nas mãos da oposição - para articular com deputados opositores um chamado para as eleições presidenciais, como forma de terminar um governo que considera como sendo "uma ditadura".

A manifestação organizada por Guaidó acontece um mês depois de sua volta após uma turnê política internacional, na qual foi recebido por líderes como o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, o presidente francês, Emmanuel Macron, e o presidente americano, Donald Trump, que prometeu combater a "tirania" de Maduro.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.