Navigation

Possíveis candidatos à sucessão do premiê iraquiano

O ex-vice-presidente Adel Abdel Mehdi é um dos líderes xiitas do Bloco dos Cidadãos, conhecido sob o nome de Conselho Superior Islâmico do Iraque (CSII), um partido considerado próximo do Irã. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. junho 2014 - 14:59
(AFP)

O Parlamento iraquiano se reunirá nesta terça-feira para iniciar o processo de formação de um novo governo, após a pressão das potências ocidentais por um gabinete aberto a todas as comunidades e religiões do país.

De acordo com uma regra não escrita, o cargo de primeiro-ministro será ocupado por um xiita, enquanto a presidência será exercida por um curdo e o chefe do Parlamento será um sunita.

Se o atual primeiro-ministro Nuri al-Maliki, cujo bloco venceu as eleições de 30 de abril, é o favorito, os apelos por sua saída aumentaram desde o lançamento em 9 de junho de uma ofensiva jihadista que levou o Iraque à beira do caos.

Aqui estão os candidatos que poderiam conduzir o governo se Maliki, no poder desde 2006, não for reconduzido.

Adel Abdel Mehdi

O ex-vice-presidente Adel Abdel Mehdi é um dos líderes xiitas do Bloco dos Cidadãos, conhecido sob o nome de Conselho Superior Islâmico do Iraque (CSII), um partido considerado próximo do Irã.

Este economista foi, por muito tempo, como um primeiro-ministro potencial. Em dezembro de 2005, perdeu por apenas um voto para Maliki durante uma consulta interna da coalizão xiita que havia acabado de vencer as legislativas.

Ibrahim al-Jaafari

Predecessor de Maliki, Ibrahim al-Jafaari é o chefe da Aliança Nacional, uma coalizão de partidos religioso xiitas que inclui o do atual primeiro-ministro.

Criticado por sua política segregacionista pelos curdos e sunitas, foi deposto em 2006, no início de uma guerra sectária entre xiitas e sunitas, que matou dezenas de milhares de pessoas.

Tareq Najim

O chefe de gabinete de Maliki não costuma atrair as atenções, mas desempenha um papel de destaque por trás das cortinas. Pertence ao partido Dawa de Maliki, o mais antigo partido xiitas, criado para lutar contra Saddam Hussein.

Falah al-Fayadh

O assessor de segurança nacional de Maliki é o responsável pelas missões delicadas dos últimos anos, desde o diálogo para restaurar as relações com Ancara até tentar convencê-los da necessidade de uma solução política na Síria. Faz parte do bloco reformista do ex-primeiro-ministro Jafaari.

Baqer Jaber Solagh

Engenheiro de formação, Baqer Jaber Solagh passou vários anos no exílio no Irã, antes de voltar para o Iraque, onde é um dos líderes do Bloco dos cidadãos.

Foi Ministro das Finanças e do Interior. Sua passagem pelo ministério do Interior foi marcada por acusações de que teria criado milícias na polícia para executar sunitas. O que sempre negou.

Ahmed Shalabi

Doutor em matemática, que viveu grande parte da sua vida no exterior, faz parte do Bloco dos Cidadãos.

É um dos artífices da invasão de 2003, apresentando à administração americana provas forjadas sobre a existência de armas de destruição em massa de Saddam Hussein.

Vice-primeiro-ministro entre abril de 2005 e maio de 2006, ele se transformou em inimigo dos Estados Unidos, que o considera como um agente do Irã.

Hussein Shahristani

Vice-primeiro-ministro da Energia, Chahristani, um cientista especializado em física nuclear, passou anos na prisão, em isolamento, de acordo com ele, porque se recusou a ajudar Saddam Hussein a desenvolver armas nucleares.

Desde que tomou a frente da pasta de energia, despertou o descontentamento dos curdos e sunitas por sua insistência de que a gestão dos recursos petrolíferos do Iraque seja tratada exclusivamente pelo governo em Bagdá.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?