Navigation

Presidente do México em disputa legal por pedido ao papa

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, antes do jantar de trabalho na Casa Branca, em 8 de julho de 2020, em Washington, D.C. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 02. setembro 2020 - 20:24
(AFP)

O presidente Andrés Manuel López Obrador trava uma disputa com a autoridade eleitoral, que ordenou a retiradade um anúncio, considerado uma violação ao laicismo do Estado, em que ele cita o Papa Francisco para negar que ele esteja conduzindo o México ao comunismo.

"Vamos apresentar a nossa queixa ao Tribunal Eleitoral. Por que é que o INE (Instituto Nacional Eleitoral) tira uma mensagem nossa na televisão? Porque falo do Papa Francisco, quando o Papa Francisco é, além de um líder religioso, um chefe de Estado", afirmou López Obrador nesta quarta-feira (2) em sua conferência matinal.

Em um vídeo publicado por ocasião de seu relatório anual de governo, apresentado na terça-feira, o presidente de esquerda fez menção ao pontífice para responder às críticas dos seus adversários.

"Os conservadores afirmam que estamos conduzindo o país ao comunismo. O Papa Francisco disse que ajudar os pobres não é comunismo, é o centro do evangelho", declarou o presidente na breve mensagem divulgada na segunda-feira.

Nesse mesmo dia, opositores contestaram o anúncio no INE, que argumentou em comunicado que o vídeo viola a Constituição porque contém um "elemento religioso" e "descredibiliza as forças políticas da oposição" ao utilizar frases como "os conservadores".

O Tribunal Federal Eleitoral é a última instância em que são resolvidas resoluções tanto do INE como dos institutos eleitorais.

López Obrador muitas vezes critica o INE por sua suposta tolerância com a fraude que, segundo ele, o impediu de chegar à presidência no passado, além de exigir austeridade por causa da pandemia.

Durante o chamado período da Reforma (1855-1863), no México foi promulgada a separação entre Estado e Igreja, dando origem a um forte secularismo suavizado apenas em 1992, após uma modificação legal que restaurou os direitos civis dos grupos religiosos e restabeleceu relações com o Vaticano.

O governante mexicano faz constantes referências bíblicas em seus discursos, principalmente quando se refere ao combate à pobreza que atinge mais da metade da população.

Em março, ele mostrou à imprensa imagens religiosas quando lhe perguntaram como ele se protegia, aos 66 anos, do novo coronavírus.

O INE considerou agravante o fato de que a mensagem tenha sido produzida quando formalmente se iniciou o processo de eleições locais em dois estados.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.