Navigation

Região de Washington DC, novo foco do coronavírus nos EUA

Pessoas se reúnem no gramado do National Mall, em Washington, em 2 de maio de 2020, para observar a passagem de esquadras aéreas sobre a capital em tributo aos socorristas e trabalhadores da saúde afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 06. maio 2020 - 00:31
(AFP)

A região de Washington DC é o novo foco do coronavírus nos Estados Unidos, apesar das medidas de contenção implementadas desde o fim de março, mas o aumento dos casos não é necessariamente um mau sinal, garantem especialistas.

Larry Hogan, governador do estado de Maryland, vizinho à capital federal, advertiu no começo de abril que o coração político do país seria "o próximo ponto quente" da COVID-19, estimando que o surto na região estaria "umas duas semanas atrás de Nova York", epicentro da epidemia na costa leste.

Escolas e empresas consideradas não essenciais estão fechadas há várias semanas na zona metropolitana de Washington DC, que inclui subúrbios nos estados vizinhos de Maryland e Virgínia, mas as curvas de contágios, hospitalizações e mortes continuam subindo.

"Estamos em uma área com alta densidade populacional e com muitos profissionais essenciais que devem cumprir seu trabalho e que estão expostos ao vírus", disse à AFP Travis Gayles, chefe de serviços de saúde no condado de Montgomery, em Maryland, ao norte da capital.

Muitos destes trabalhadores essenciais (funcionários de supermercados, policiais, funcionários municipais) integram as minorias negras e hispânicas, mais afetadas pelo novo coronavírus do que outros grupos étnicos.

"Nestas comunidades não é raro que duas famílias compartilhem um apartamento de dois quartos e quando um morador testa positivo, o vírus se propaga rapidamente e é muito mais difícil isolá-lo", destacou Gayles.

Doenças como hipertensão e diabetes, fatores agravantes da COVID-19, e a falta de cobertura de seguridade social que caracterizam estas comunidades pobres também aumentam o risco de contaminação.

Washington DC, que tem mais de 5.300 contágios e 264 mortes entre 700.000 habitantes, registrou um aumento de casos, principalmente transmissões em residências onde convivem várias gerações em dois bairros da cidade.

Outra preocupação são os lares de idosos, onde já houve 70 mortes entre os moradores e dois entre os funcionários nas últimas semanas.

- "O começo de uma tendência" -

"O vírus não deixou a cidade", disse a prefeita de Washington DC, Muriel Bowser, que prevê um aumento dos contágios em maio.

Mas Amanda Castel, professora do Departamento de Epidemiologia da Universidade George Washington, disse que as cifras poderiam ser enganosas.

O número de locais de detecção se multiplicaram e os critérios para a realização de exames foram ampliados desde o começo da epidemia, explicou à AFP.

"Isso significa que identificaremos mais contágios, o que é algo bom porque queremos nos assegurar de que as pessoas que testam positivo se isolem e que seus contatos também sejam examinados para detectar sintomas e colocá-los em quarentena", disse Castel.

"Não deveríamos nos alarmar pela quantidade de casos positivos, mas nos assegurarmos de que as pautas de distanciamento social funcionam e que devemos seguir observando-as até alcançar o pico [da epidemia] na região de Washington DC", apontou, advertindo contra um sentimento de "saturação" na população.

Gayles se disse "otimista" sobre chegar ao pico, ao destacar "o começo de uma tendência" com cifras de contágios que estão se estabilizando.

"Mas estamos reavaliando a situação diariamente", disse.

Passarão, no entanto, várias semanas entre o pico da pandemia na região e a diminuição de hospitalizações e mortes.

"Uma diminuição durante 14 dias no número de casos detectados será um bom indício de que estamos no caminho correto", disse a professora Castel.

Quando vários estados americanos já reabriram parte de sua economia, o governador da Virgínia, Ralph Northam, anunciou nesta segunda uma possível redução do confinamento da população em 15 de maio, muito antes do 10 de junho, inicialmente previsto.

Os critérios do governo federal para a retomada da atividade são "claros", destacou Castel: 14 dias de diminuição dos casos detectados, grande capacidade de exames diagnósticos e suficientes leitos de hospital disponíveis.

"Se não se pode marcar todas as casas, é prematuro voltar a abrir", disse.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.