Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O jornal 'Hoy', fundado há 32 anos, anunciou que sua edição impressa deixará de circular e que apenas manterá a edição eletrônica

(afp_tickers)

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) criticou o governo do presidente Rafael Correa pela deterioração da liberdade de expressão no Equador, uma situação que, a seu ver, se reflete no fechamento da edição impressa do jornal crítico ao regime Hoy.

"Junto a outros governos, Rafael Correa ficará na história como um dos maiores responsáveis por essa deterioração, tanto por atacar a mídia independente, como por utilizar os meios públicos como se fossem próprios", assinala um comunicado da SIP.

O jornal Hoy, fundado há 32 anos, anunciou no domingo que sua edição impressa deixará de circular e que apenas manterá sua edição eletrônica, alegando "gradual perda das liberdades e limitação das garantias constitucionais" no Equador e a "autocensura" imposta que pela Lei de Comunicação de 2013.

O presidente Correa rejeitou as acusações de Hoy e disse que esse jornal "acumula perdas há anos por uma péssima administração".

A SIP denunciou ainda o "autoritarismo" de Correa, que resulta na "deterioração da liberdade de imprensa em seu país".

AFP