Navigation

Sobe para 42 número de mortos por beber álcool adulterado em velório no México

Pelo menos 42 pessoas morreram no México após ingestão de álcool adulterado afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 14. maio 2020 - 11:31
(AFP)

O número de mortos por beber álcool adulterado no estado mexicano central de Puebla aumentou para 42, depois que casos de envenenamento foram relatados em vários locais - informaram autoridades locais na quarta-feira (13).

As primeiras mortes foram registradas na cidade de Chiconcuautla, a cerca de 200 quilômetros da Cidade do México. Lá, houve uma série de pedidos de assistência médica para intoxicação por bebida alcoólica, ingerida principalmente durante uma velório no fim de semana.

Até terça-feira, as autoridades haviam registrado 23 mortes e, na sequência, surgiram casos nos municípios de Chignahuapan, Xochitlán Todos Santos, Zacatlán e Huaquechula, informou o governo local em um comunicado.

Até agora, também há 11 pessoas internadas em condições críticas.

Foram apreendidos 200 litros de álcool. Não há informações sobre detidos.

Em um comunicado, o governo de Chiconcuautla pediu na terça-feira que aqueles que ingeriram álcool adulterado e apresentarem sintomas como tontura, dor de cabeça e vômito, procurem ajuda imediatamente no centro de saúde mais próximo.

Pelo menos 38 pessoas foram envenenadas nas últimas três semanas por beber álcool adulterado no estado ocidental de Jalisco.

As autoridades explicaram que, com a contingência sanitária, há escassez de algumas bebidas alcoólicas, principalmente cerveja, motivo pelo qual o álcool adulterado está sendo oferecido.

"Devido a essa escassez, e porque a demanda é muito alta, algumas pessoas estão oferecendo, ou tentando vender, álcool metanol (um composto para uso industrial) em vez de álcool etílico (encontrado em bebidas)", disse ele em entrevista coletiva a diretora da Comissão de Proteção contra Riscos Sanitários de Jalisco, Denis de Santiago.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.