Navigation

TikTok acusa Facebook de 'ataques difamatórios'

Logo do TikTok afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 29. julho 2020 - 15:48
(AFP)

A plataforma de vídeos TikTok respondeu, nesta quarta-feira (29), ao que chamou de "ataques difamatórios" por parte da rede social líder Facebook e defendeu suas atividades, alegando que as mesmas ajudam a promover a concorrência no mercado dos Estados Unidos.

Os comentários do TikTok foram divulgados horas antes de uma esperada audiência antimonopólio no Congresso dos EUA com os principais executivos do Facebook e de outras três grandes empresas tecnológicas, e em meio a uma ameaça de proibição devido a supostas conexões entre o aplicativo de vídeos e o governo da China.

Em uma publicação em um site, seu CEO, Kevin Mayer, disse que o TiKTok recebe com agrado a "concorrência justa" e acrescentou que, "sem o TikTok, os anunciantes americanos ficariam mais uma vez com poucas opções".

"Vamos concentrar nossas energias em uma concorrência justa e aberta ao serviço de nossos consumidores, em vez de ataques difamatórios por nossa concorrência - em particular o Facebook - disfarçados de patriotismo e projetados para encerrar nossa mera presença nos Estados Unidos", continuou.

Esses comentários parecem se referir às declarações do CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, que disse, no ano passado, que o TikTok havia censurado informações sobre protestos na China, país de origem da ByteDance, proprietária da plataforma de vídeos.

Conhecido por seus vídeos casuais, artísticos e humorísticos, o TikTok teve uma explosão de popularidade durante o confinamento pela pandemia do coronavírus, especialmente entre os jovens. Estima-se que tenha 1 bilhão de usuários.

"Com o nosso sucesso chega a responsabilidade e a prestação de contas", disse Mayer, insistindo em que a empresa proprietária do aplicativo não mantém vínculos com o governo chinês.

"O TikTok se tornou o alvo mais recente, mas não somos o inimigo", acrescentou Mayer.

A Índia proibiu o TikTok e a análise dos EUA sobre os riscos para a segurança nacional do aplicativo está quase completa.

Uma recomendação será apresentada esta semana ao presidente Donald Trump, disse o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, nesta quarta.

Mnuchin disse à imprensa que a análise está a cargo do Comitê de Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos (CFIUS, em inglês), que lida com empresas e aquisições que afetam a segurança nacional.

"O TikTok está sendo analisado pelo CFIUS, e faremos uma recomendação ao presidente esta semana", afirmou Mnuchin. "Temos muitas alternativas", completou.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.