Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Arquitetura para humanos Entrevista Aurel Aebi – Co-fundador do Atelier Oï

Cofundador do atelier suíço Oï, o designer Aurel Aebi esteve no Brasil para uma apresentação durante a MADE (Mercado, Arte e Design), feira que reúne algumas das principais empresas desses segmentos. 

Aurel Aebi no MADE

Aurel Aebi, em palestra na MADE, ressalta sobre a importância da escolha do tipo dos materiais em projetos arquitetônicos e de design.

(swissinfo.ch)

Sob o título "Handmade Industry", ele falou para uma plateia extremamente atenta, descrevendo projetos que deixam claro como a arquitetura e o design interferem de fato na vida das pessoas. A feira foi realizada em agosto no Pavilhão da Bienal, no Parque Ibirapuera, em São Paulo.

Aebi destacou a importância dos materiais como ponto de partida para elaboração dos projetos, sejam arquitetônicos, cenográficos ou qualquer outro. Para ele, a maneira como esses componentes impactam a vida das pessoas e o ambiente é determinante para sua escolha. Por isso, antes mesmo de se pensar no como fazer qualquer trabalho, para ele é fundamental conhecer bem o que será usado. Uma questão, primordial, até mesmo para livrar as próximas gerações de problemas ainda maiores em relação à sustentabilidade.

Reconhecido pela criatividade e inovação de projetos assinados para grandes empresas, como Louis Vuitton (Nomades Collection), Bulgari, B&B Italia, Nestlé, Rimowa e tantas outras, Aebi veio ao Brasil desta vez a convite do Switzerland Tourist, que participou da MADE divulgando o "Swiss cities designed for you" – programa que mostra o país como destino para apreciadores de cultura, arte, design e arquitetura. A seguir, a entrevista completa com Aebi, que em 2018 estará novamente no Brasil para uma exposição dos trabalhos do seu escritório no Museu da Casa Brasileira.

swissinfo.ch: O senhor apresentou aqui várias ideias para várias soluções arquitetônicas e de design, deixando claro que ter ideias não é problema, mas sim o processo.

Aurel Aebi: Sim. É que qualquer um tem uma ideia. Você sai com seu amigo, bebem alguma coisa, têm ideias: "Opa, podemos fazer isso ou aquilo!". Mas no dia seguinte, quando você acorda, ainda meio tonto, e tem que trabalhar e o processo começa. O processo é a sua vida, é a combinação diária das nossas experiências, das nossas novas conexões com pessoas, e tudo isso nos dá ao final o produto. Não é apenas uma ideia. É um processo contínuo para coisas que, às vezes, requerem anos, para outras que podem ser mais rápidas, mas o objetivo é sempre o caminho (processo) e não apenas a ideia. Isso é o que temos aprendido.

swissinfo.ch: O senhor disse: "É tudo sobre conteúdo e seres humanos".

A.A.: Para nós é sempre importante termos a percepção daquilo que vai atender a uma pessoa. Quando tocamos um material, como ele é: quente, frio… Quando temos um muro, uma passagem, com que ele te conecta, como ele te "convida"? Então, sempre é tudo sobre formas, pessoas, sobre tudo que está ao nosso redor. Quando você tem um muro vermelho como esse (referindo-se as paredes do local do evento que participou), trata-se de arquitetura e design. Mas para que serve? É para nós, seres humanos. Então, não é como estar em um museu e admirá-lo: "Ó, é um lindo design!". Para nós, as coisas que estão ao nosso redor são feitas em bases humanas, são feitas para pessoas.

swissinfo.ch: E por isso os materiais são tão importantes para o senhor.

A.A.: Sim, porque de outra forma você faz apenas desenhos. Imagine que vamos fazer um sapato. Você o desenha e pensa: qual material eu vou usar? Plástico, couro…? Mas cada material reage, influencia de uma forma. Então, nós, na verdade, começamos pensando o que é bom para os pés, o que é bom para o entorno? Depois seguimos com as linhas que definem a forma. É uma outra maneira de pensar, de encontrar a solução usando o material.

swissinfo.ch: Ainda ouvimos muito que design é funcionalidade.

A.A.: A frase diz: "Form follows function (a forma segue a função). Mas nós dizemos: form follows emotion (a forma segue a emoção). É uma outra forma de dizer. Ao final você vai sentar em uma cadeira. Mas a questão é que quando você compra, isso acontece por conta da emoção. Por que você quer uma cadeira e não a outra? Alguma coisa acontece que te leva a essa escolha. Função para mim é uma questão de lógica, é a sua profissão fazer algo que no final vai servir para sentar. Porém, para mim, mais importante do que a função é a emoção que aquilo causa nas pessoas.

swissinfo.ch: Você que já esteve no Brasil várias vezes, o que diria para um País que é tão rico em ideias, mas ainda, em geral, tão deficiente nos processos?

A.A.: Para fazer, para desenvolver algo é preciso ter em mente essa emoção. Vocês têm o privilégio de serem emocionais. Para mim, o Brasil é realmente um País emocional. É importante não pensar em ter uma ideia, fazer uma cadeira e pronto, acabou. Na Suíça ou na Alemanha o pensamento é sempre de fazer e depois refazer melhor. Ou seja, o que se cria não acaba na criação em si. Você faz, refaz melhor e transforma. Não se trata apenas em fazer, mas em dar continuidade. Como diz o provérbio, o caminho é o objetivo. Então é um longo processo e você otimiza o que faz.

swissinfo.ch: O ano que vem você fará uma exibição no Brasil, no Museu da Casa Brasileira. Poderia nos antecipar mais alguma coisa?

A.A.: Temos um grande amigo curador que nos falou sobre o Museu da Casa Brasileira, que demonstrou interesse em mostrar o processo para o desenvolvimento de mobiliário. E nós não fazemos apenas arquitetura; fazemos arquitetura, mas também design, design de interiores, cenários. Vamos mostrar essas abordagens interdisciplinares na apresentação dos nossos trabalhos.

swissinfo.ch: O que o senhor poderia falar hoje sobre design como conceito?

A.A.: Para uma série de coisas nós podemos gastar menos materiais. Temos de pensar, de ter em mente a escolha do processo e as questões ligadas a sustentabilidade. São três coisas fundamentais, porque de outro modo as próximas gerações realmente terão problemas.  

swissinfo.ch: O que se atrela com o que o senhor falou anteriormente sobre o uso da tecnologia, certo?

A.A.: Sim, a tecnologia tem nos permitido tudo. Hoje apertamos um botão para qualquer coisa, tudo é simples, rápido…Mas não podemos nos esquecer de pensar.

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.