Navigation

Pequenas empresas e grandes inovações: "startups" suíças

A pulseira suíça que desafia os gigantes da tecnologia

Mattia Bertschi, Olivier Grossenbacher e Josep Sola (a partir da esquerda): os três engenheiros suíços que desenvoveram uma nova técnica para medir a pressão arterial. swissinfo.ch

A empresa startup suíça Aktiia acaba de lançar a primeira pulseira inteligente capaz de medir continuamente a pressão arterial. Uma inovação que nasceu em Neuchâtel e que coloca a Suíça na vanguarda de um mercado altamente cobiçado pelos gigantes tecnológicos americanos e asiáticos.

Este conteúdo foi publicado em 21. fevereiro 2021 - 10:00

Um "assassino silencioso". É assim que a Organização Mundial da Saúde (OMS) descreve a hipertensão arterial. Esta doença crônica, que aumenta o risco de derrame cerebral e ataque cardíaco, é a principal causa de morte no mundo (quase 7 milhões de mortes por ano).

Enquanto a hipertensão é tratável, a detecção é problemática pois a condição não apresenta sintomas ou sinais específicos que indiquem se você tem ou não pressão arterial alta. Estima-se que um em cada três adultos tem hipertensão, mas a metade deles não está ciente do fato.

Para ter certeza, você deve ir ao seu médico ou farmacêutico, que usa um aparelho inflável em seu braço para medir sua pressão arterial máxima (sistólica) e mínima (diastólica). Este método praticamente não mudou desde o final do século 19 e tem a grande desvantagem de fornecer apenas resultados momentâneos, que também são influenciados pelo estresse induzido pelo ambiente médico, o famoso efeito do "jaleco branco".

15 anos de pesquisa

Mas tudo isso pode em breve ser coisa do passado. A empresa AktiiaLink externo, sediada em Neuchâtel, desenvolveu a primeira pulseira inteligente capaz de medir a pressão arterial continuamente, 24 horas por dia, sete dias por semana. A tecnologia, chamada "Monitoramento Óptico da Pressão Arterial", utiliza uma fonte de luz que é enviada para os vasos sanguíneos subcutâneos para analisar a mudança no diâmetro arterial a cada batimento cardíaco, antes de ser coletada por um sensor no bracelete. Os dados coletados são então transmitidos para um aplicativo de smartphone. O usuário pode consultar e compartilhar os dados com seu médico, se desejar.

A pulseira Aktiia foi projetada para não chamar a atenção. Aktiia

"O desenvolvimento desta tecnologia exigiu 15 anos de pesquisa. Foram necessários dois anos e meio de desenvolvimento para transformar esta invenção em um dispositivo médico com a certificação CE (Conformidade Europeia), que abre as portas para a comercialização em quase 40 países", explica Olivier Grossenbacher, chefe de pesquisa e desenvolvimento da Aktiia.

As primeiras pulseiras estão à venda na Grã-Bretanha desde 26 de janeiro a um preço unitário de 159 libras (196 francos suiços). Eles são destinados a pessoas entre 40 e 65 anos que sofrem ou correm o risco de sofrer de pressão arterial alta. A comercialização em outros países europeus está planejada para os próximos meses. E levará mais alguns meses até que possa estar disponível na Suíça.

Um mercado europeu de difícil acesso

Desde uma mudança na legislação em 2017, a Suíça não tem tratamento tarifário como o de um membro da União Europeia (EU) para a comercialização de dispositivos médicos. A Aktiia deve ter um importador oficial em solo europeu para poder vender suas pulseiras ali. "Estamos no processo de abertura de uma filial na Holanda, mas isso está demorando muito porque existem muitos obstáculos burocráticos", explica Mattia Bertschi.

As negociações para o reconhecimento automático entre a Suíça e a UE estão atualmente em um impasse. "Temos a infeliz impressão de que estamos presos em discussões políticas mais amplas". Os bloqueios ao acordo-quadro entre a Suíça e a UE são para nós uma desvantagem. Para uma pequena empresa como a nossa, que está lançando seu primeiro dispositivo médico no mercado, é realmente muito complicado no momento", lamenta o co-fundador da Aktiia. 

End of insertion

Não apenas outro "gadget"

"A tradução requer muitos recursos para uma pequena empresa como a nossa. Como o inglês é a língua comum dos 22 funcionários da Aktiia que trabalham na Suíça, Sérvia e Estados Unidos, optamos por começar em um país de língua inglesa. Passaremos então para os mercados francês, alemão e italiano, e depois para a Suíça com seus três idiomas oficiais", diz Mattia Bertschi, co-fundadora da Aktiia.  

Muito discreto, o produto se destaca claramente dos relógios e pulseiras conectados que permitem medir todos os tipos de parâmetros relacionados à saúde ou ao sono. "Fizemos a escolha radical de medir apenas um parâmetro e não exibir os dados em uma tela. Este é um importante diferencial em relação a todos os 'aparelhos' que estão florescendo no mercado de dispositivos conectados relacionados à saúde", diz Mattia Bertschi.

Este é um mercado de crescente interesse para o GAFA (Google, Amazon, Facebook, Apple) e seus rivais asiáticos, como Samsung e Huawei. A pressão arterial sempre foi considerada uma espécie de Santo Graal da saúde digital. Devido, por um lado, à dificuldade de medi-la, mas também ao enorme número de pacientes potenciais. A OMS estima que 1,5 bilhões de pessoas em todo o mundo sofrem de hipertensão.

Uma ideia nascida no CSEM em Neuchâtel

"Como uma pequena startup vence gigantes da tecnologia em todo o mundo para lançar um produto que muda as regras do jogo na área da pressão arterial", a revista Forbes publicou recentemente um artigoLink externo entusiasmado sobre a Aktiia. Afinal, como uma pequena startup de Neuchâtel passou à frente de multinacionais que atraem os melhores engenheiros do mundo e investem dezenas de bilhões de dólares por ano em pesquisa e desenvolvimento de seus produtos?

"Você pode ter todo o dinheiro do mundo à sua disposição, mas há uma coisa que você não pode comprar: tempo".

Mattia Bertschi, co-fundador da Aktiia

End of insertion

Aktiia não venceu a corrida no final, ela apenas largou muito antes do que todos os outros. "Podemos ter todo o dinheiro do mundo à nossa disposição, mas há uma coisa que você não pode comprar: tempo. Mas começamos a trabalhar nesta tecnologia muito antes de qualquer outra pessoa e superamos com sucesso um processo muito trabalhoso de testes e validação", diz Bertschi.

A pulseira conectada da Aktiia não teria sido possível sem a ajuda do Centro Suíço de Eletrônica e Microtecnologia em Neuchâtel (CSEM), um instituto de pesquisa especializado em transferência de tecnologia para a indústria com mais de 500 funcionários. Mattia Bertschi, Josep Sola, o outro co-fundador Aktiia, e Olivier Grossenbacher trabalharam juntos no CSEM nesta nova tecnologia de medição da pressão arterial antes de lançar sua própria empresa para comercializá-la. "O CSEM é um ambiente muito criativo onde você pode realmente se divertir como engenheiro", observa Mattia Bertschi.

Aktiia, em resumo

A startup Aktiia foi fundada em 2018 por Mattia Bertschi e Josep Sola, dois ex-funcionários do Centro Suíço de Eletrônica e Microtecnologia (CSEM) em Neuchâtel.

A empresa tem capital suíço e americano. Em sua primeira rodada de financiamento, em 2018, foram arrecadados quatro milhões de francos, e seis milhões na segunda rodada, em março de 2020.

Desenvolvida e patenteada no CSEM, a tecnologia utilizada nas pulseiras da Aktiia recebeu o Prêmio Neode como a melhor inovação técnico-médica da Suíça em 2017.

End of insertion

Aquisição inevitável

A Aktiia não é a única startup suíça ativa no campo da tecnologia médica a se beneficiar da tecnologia licenciada pelo CSEM. A empresa BiospectalLink externo, com sede em Vaud, desenvolveu um sistema que permite aos usuários verificar sua pressão arterial colocando seu dedo na câmera do smartphone. A AVA, com sede em Zurique, desenvolveu uma pulseira capaz de determinar com precisão os períodos de fertilidade das mulheres.

Outra empresa nascida em Zurique é a Biovotion, que desenvolveu um dispositivo usado no braço que pode medir muitos parâmetros como frequência cardíaca, saturação de oxigênio ou a expansão e contração dos vasos sanguíneos. A Biovotion foi adquirida há pouco mais de um ano pelo grupo americano Biofourmis, especializado em medicina personalizada e digital.

"Mais cedo ou mais tarde, será nossa vez também. Ser comprada está no DNA de cada empresa iniciante", diz Mattia Bertschi. Enquanto isso, os dois co-fundadores da Aktiia estão aproveitando as muitas solicitações e pedidos de colaboração de gigantes da tecnologia. É uma grande homenagem estes dois pais de família que investiram muito de suas economias e tempo para desenvolver uma aplicação que pode um dia salvar milhares de vidas.

Adaptação: DvSperling

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.