Covid-19 provoca queda recorde de empregos na Suíça

De acordo com as estatísticas trabalhistas do segundo trimestre divulgadas na quinta-feira, há 1,6% a menos de pessoas empregadas na Suíça em comparação com esse mesmo período no ano passado. Keystone / Ennio Leanza

Os últimos dados sobre empregos mostram que agora há 85.000 pessoas empregadas a menos do que em 2019 - o maior declínio desde 1993.

Este conteúdo foi publicado em 20. agosto 2020 - 10:49
Keystone-SDA/jdp

De acordo com as estatísticas trabalhistas federais do segundo trimestre divulgadas na quinta-feira, há 1,6% a menos de pessoas empregadas na Suíça em comparação com esta época no ano passado. A queda foi ligeiramente maior para as mulheres do que para os homens (1,7% e 1,5% respectivamente).

Aqueles em situação de desemprego parcial não são classificados como desempregados nas estatísticas. Mas como resultado das restrições impostas pela Covid-19 às atividades comerciais, muitas pessoas trabalharam menos horas. O Departamento Federal de Estatística (FSO) disse que as horas semanais por empregado caíram 9,5% nesse período. 

Se apenas os equivalentes em tempo integral forem considerados, as diferenças de gênero são maiores. Para os homens, a queda no número de pessoas que trabalhavam em tempo integral foi de 0,4%, em comparação com 2,4% para as mulheres. 

Cerca de 223.000 pessoas estão agora desempregadas - ou seja, mais 17.000 do que em 2019. Os jovens (15-24 anos) foram particularmente afetados pela crise: enquanto a taxa de desemprego para toda a população subiu de 4,2% para 4,6%, ela aumentou de 6,2% para 8,4% para os jovens.

Entre o segundo trimestre de 2019 e o segundo trimestre de 2020, o número de suíços empregados caiu 2,4%, enquanto o número de estrangeiros empregados aumentou em 0,2%. Entretanto, isto varia significativamente de acordo com o tipo de permissão de trabalho; aqueles que possuem uma permissão L de curto prazo (12 meses) viram uma grande queda no emprego, de 16,2%.

Pessoas com uma autorização C de longo prazo, que freqüentemente inclui estrangeiros nascidos na Suíça, viram sua taxa de emprego aumentar em 2,3%. O número de trabalhadores fronteiriços também aumentou em 3,6%.

Cortes

A Kudelski é a mais recente empresa suíça a ser atingida pela crise do coronavírus. Em seus resultados do segundo trimestre divulgados na quinta-feira, a empresa de segurança digital sediada na parte francófona do país disse que tem dependido muito do desemprego parcial.

Seu número de funcionários equivalentes em tempo integral caiu 14%, ou 489 posições, em comparação com seis meses atrás.

A Kudelski também disse em um comunicado à imprensa que seus resultados semestrais estavam bem abaixo das previsões, com um faturamento anual registrando queda de 20,1% a US$ 320,1 milhões (CHF 292,8 milhões).

No início desta semana, a rede varejista Manor anunciou seus planos para reduzir aproximadamente 5% de sua força de trabalho devido à concorrência online e ao efeito do coronavírus nas vendas.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo