Procissões da Páscoa na Suíça concorrem a patrimônio cultural

A Suíça quer incluir uma prática religiosa na lista de patrimônio cultural imaterial da UNESCO. O Departamento Federal da Cultura submeteu no começo da semana as históricas procissões da Páscoa de Mendrisio, no cantão do Ticino, ao órgão da ONU.

Este conteúdo foi publicado em 30. março 2018 - 12:30
A tradicional procissão da Sexta-Feira Santa com lanternas pelas ruas iluminadas por pinturas montadas em molduras Keystone

As procissões de Mendrisio, que acontecem todos os anos na Quinta-feira Santa e na Sexta-Feira da Paixão, reúnem centenas de participantes reencenando a paixão de Cristo através da Via Sacra. Na sexta-feira santa, jovens e adultos caminham pela cidade velha ao som de música fúnebre em uma tradição que tem suas origens no século XVII. Durante as procissões, pinturas translúcidas iluminadas por dentro e montadas em quadros iluminam as ruas da cidade.

Os países podem apresentar apenas uma tradição para inclusão por ano, embora a Suíça também faça parte de uma outra indicação trinacional, junto com a França e a Itália, para o alpinismo. Outras tradições pré-selecionadas pelo governo suíço incluem design gráfico e tipografia, gestão de riscos de avalanche, a temporada de pastagens alpinas, know-how mecânico em relojoaria e o “yodel”, o canto alpino. Até hoje, a UNESCO incluiu o Festival dos Produtores de Vinho de Vevey, no cantão de Vaud, e o Carnaval da Basileia em sua lista de patrimônio cultural imaterial.

A decisão da UNESCO sobre as procissões da Páscoa de Mendrisio é esperada para novembro de 2019.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo