Navigation

Perspectivas econômicas da Suíça para 2021

As economias da Suíça e da União Européia já passaram pelo pior, ou a pandemia causará mais danos em 2021? Keystone / Martin Ruetschi

Lockdown, teletrabalho, proibição de viagens. A pandemia abalou a economia, mas seu poder disruptivo está tendo um efeito seletivo. Enquanto a indústria farmacêutica navega incólume pela crise, a indústria relojoeira está sendo atingida com mais força do que em qualquer outro momento desde a última guerra mundial. Qual é o futuro da Suíça como local para negócios, trabalho e pesquisa?

Este conteúdo foi publicado em 30. dezembro 2020 - 15:00

Relocação da aldeia global

Tradicionalmente, o ano econômico suíço começaria com um grande agito em janeiro, com a reunião anual do Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos. No ano passado, o WEF ainda estava no centro das atenções mundiais com, entre outras coisas, a visita do presidente dos EUA, Donald Trump. Não foi assim em 2021: o WEF decidiu realizar seu congresso anual - em seu 50º aniversário, não menos - em Cingapura este ano.

Isto significa que a economia suíça perderá milhões de francos, mas não apenas isso. O efeito simbólico da transferência deste evento mundial para Cingapura reflete a crescente concorrência da Ásia como local de negócios. Cingapura se tornou um rival sério, especialmente para os bancos suíços. Desde a queda do sigilo bancário suíço, o fluxo de dinheiro da Suíça para Cingapura tem aumentado significativamente.

A Ásia em geral está em uma posição mais forte graças ao maior acordo comercial do mundo na história: a nova zona de livre comércio asiática RCEP (Regional Comprehensive Economic Partnership), que inclui os pesos pesados econômicos da China, Japão, Coréia do Sul, Austrália e Indonésia. Será interessante ver como acordos como este afetarão o setor de commodities, que está fortemente ancorado na Suíça.

Esperando a vacina

As perspectivas da economia suíça para o próximo ano são mistas, com os prognósticos prevendo uma recuperação apenas no segundo semestre do ano. A Suíça estará mais dependente do que nunca de suas empresas farmacêuticas multinacionais. Este setor em rápido crescimento, que agora representa quase metade das exportações suíças em termos de valor, não apenas passou no teste do coronavírus sem problemas, mas emergiu ainda mais forte. Espera-se que continue crescendo em importância e logo exceda uma participação de 10% do produto interno bruto (PIB) da Suíça. 

Outros setores de exportação suíços também dependem da indústria farmacêutica para reanimar seus negócios e manter os empregos na Suíça. Todos aguardam impacientemente a campanha de vacinação suíça que começa no final de dezembro.

Isto é particularmente verdadeiro para a indústria relojoeira, um dos setores mais afetados pela pandemia. As exportações de relógios suíços despencaram quase 25% em 2020, a maior queda em um ano desde a Segunda Guerra Mundial. Embora os relojoeiros estejam satisfeitos com a retomada observada na China nos últimos meses, eles esperam um rápido retorno dos turistas e a reabertura de butiques na Europa e na América do Norte.

Menos conhecida e visível que a indústria relojoeira - mas muito mais importante em termos de exportações e empregos suíços (320.000) - a indústria de máquinas, equipamentos e metais (MEM) enfrenta um futuro muito incerto. Em última análise, os fabricantes de máquinas-ferramentas para a indústria relojoeira, aeroespacial e automotiva foram particularmente afetados pela pandemia. Eles serão provavelmente os últimos a ver sinais de uma recuperação sustentada.

A ciência em 2021: além da pandemia

A pandemia do coronavírus tem alterado quase todos os aspectos da vida, incluindo a forma como compramos, preparamos e comemos os alimentos. O fabricante suíço de alimentos Nestlé relata que a demanda por alimentos de origem vegetal - como alternativas à carne e laticínios - disparou à medida que as pessoas tentavam comer mais saudável em casa e também por causa dos surtos de Covid-19 nas instalações de produção de carne.

A Suíça é a sede de numerosas empresas e start-ups que estão criando alimentos à base de plantas e mudando os cálculos para o futuro da agricultura. Em 2021, continuaremos a seguir essas tendências e o que elas significam para nossas dietas e para o clima.

As start-ups suíças - assim como gigantes do setor de alimentos como a Nestlé - também buscam alternativas às embalagens plásticas, que comprovadamente acabam em nossos corpos e no meio ambiente a níveis alarmantes. No próximo ano, também estaremos acompanhando as últimas novidades na ciência dos materiais e como os chamados "materiais de inspiração biológica" - ou materiais encontrados na natureza - poderiam oferecer alternativas em embalagens, pesticidas e outras áreas.

Robôs suíços

Como as máquinas não podem adoecer ou espalhar doenças, a pandemia Covid-19 também acelerou a automatização de certas tarefas através de robôs e inteligência artificial. Mas como criar confiança nessas tecnologias, avaliar seu potencial para transformar o espaço de trabalho como o conhecemos e garantir que elas não caiam em mãos erradas? A Suíça, um centro global de robótica e inteligência artificial, está tentando encontrar respostas para essas perguntas, e nós estaremos cobrindo esses debates.

Quando as viagens e as oportunidades de se reunir foram limitadas em 2020, as pessoas na Suíça afluíram às montanhas e à natureza para uma fuga socialmente distante. E os planos para grandes projetos de infra-estrutura nas montanhas - como um novo teleférico expresso para um dos locais mais visitados dos Alpes, o Jungfraujoch - continuaram apesar da pandemia. Mas como toda essa atividade humana afeta a delicada - e crucial - biodiversidade encontrada na maior cadeia montanhosa da Europa? E as muitas geleiras da Suíça, que fazem do país a "caixa d'água" do continente, ainda estarão lá em 50 anos, ou em 20? Nossa cobertura contínua dessas questões analisará a realidade da situação, assim como a política e as inovações que tentam resolvê-la.

E no alto dos Alpes, longe das preocupações deste mundo, encontram-se outros mundos à espera de serem explorados. No próximo ano, a missão de três anos do satélite CHEOPS liderado pela Suíça chegará ao fim e continuaremos a seguir suas descobertas, bem como outros marcos na exploração espacial envolvendo a pesquisa e engenharia suíça. O CHEOPS foi encarregado de estudar 100 dos mais de 4.000 exoplanetas que foram descobertos desde que os astrônomos suíços Michel Mayor e Didier Queloz, vencedores do Prêmio Nobel, encontraram o primeiro planeta assim orbitando uma estrela que não fosse nosso sol. Existe outra Terra lá fora? Talvez saibamos mais no próximo ano.  

Avanços digitais

A longo prazo, no entanto, a pandemia também deverá ter alguns efeitos positivos na economia suíça. Pelos padrões globais, a Suíça foi considerada bastante retrógrada em termos de digitalização e teletrabalho. Muitas empresas do importante setor de serviços foram forçadas a dar um passo à frente em 2020, o que deverá torná-las mais competitivas a longo prazo. No entanto, ainda há muitas perguntas sem resposta em relação ao trabalho a partir de casa, como por exemplo as questões legais e de segurança de dados.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.