"Os países estão condenados a cooperar"

Valentin Zellweger, de saída da Missão Suíça junto à ONU em Genebra. © Keystone / Laurent Gillieron

Valentin Zellweger é o Chefe da Missão Suíça junto à ONU em Genebra. No final de julho, ele estará deixando seu posto para se tornar o embaixador da Suíça no Quênia. Em entrevista, ele analisa o multilateralismo, hoje alvo de generalizado de críticas, e a cidade internacional de Genebra.

Este conteúdo foi publicado em 08. julho 2020 - 09:30
swissinfo.ch

Os eventos de mídia organizados pelo embaixador no Palais des Nations de Genebra antes de cada sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU nos últimos quatro anos atraíram um número crescente de correspondentes da mídia internacional. Durante seu tempo em Genebra, Zellweger soube identificar o estado de espírito e as linhas de tensão nas relações internacionais dentro do principal órgão das Nações Unidas (ONU) para os direitos humanos.

Valentin Zellweger

Em 1993, aos 35 anos de idade, o jurista especializado em direito internacional entrou para o serviço diplomático com um estágio da Agência Suíça de Cooperação para o Desenvolvimento (SDC) na representação suíça em Nairóbi. E é para lá que ele estará voltando, agora como embaixador.

Valentin Zellweger ocupou então vários cargos em Berna e Nova Iorque. Entre 2003 e 2007 ele foi Chefe de Gabinete do primeiro Presidente do Tribunal Penal Internacional em Haia (Tribunal de Crimes de Guerra).

Pai de dois filhos, em 1º de agosto de 2016, ele se tornou chefe da Missão Suíça permanente junto às Nações Unidas nas Nações Unidas e outras organizações internacionais em Genebra.

End of insertion

swissinfo.ch: Como você vê seu papel como diplomata suíço em Genebra nesses últimos quatro anos marcados por algumas turbulências internacionais?

Valentin Zellweger: A Suíça tem interesse em garantir que o mundo continue a resolver os problemas conjuntamente. E o meio deste diálogo é o multilateralismo. Os valores consagrados na Carta das Nações Unidas estão plenamente refletidos na Constituição Federal e nos objetivos da política externa da Suíça.

Para um país como a Suíça, que baseia sua prosperidade no cumprimento de regras comuns e tem uma economia fortemente orientada para a exportação, vale o seguinte: quanto melhor estiverem nossos vizinhos e o mundo, melhor estará a Suíça.

Os maiores desafios que o mundo enfrenta não se detêm nas fronteiras. Parece banal, mas os países estão condenados à cooperação.

Portanto, é do interesse da Suíça promover a cooperação multilateral, especialmente em Genebra.

swissinfo.ch: Como são as relações entre todos os atores na Genebra internacional, inclusive ao nível humano?

V. Z.: Trata-se de um grupo de atores que está se tornando cada vez mais integrado. Eles trabalham para os mesmos objetivos. Além de diplomatas e funcionários de organizações internacionais, há também acadêmicos de classe mundial, por exemplo da EPFL, da Universidade de Genebra, do Instituto Universitário de Altos Estudos Internacionais e do Desenvolvimento, e representantes do setor privado.

O que distingue a Genebra internacional é esta vontade de cooperar entre estes diferentes setores, este hábito crescente de falar uns com os outros além de seus círculos imediatos.

Em Nova Iorque, para onde fui enviado, encontramos a mesma diversidade de atores, mas eles não trocam seus pontos de vista como em Genebra. Este é um dos fatores que determinarão o futuro da Genebra internacional já que ela reúne todos os atores capazes de resolver os problemas que enfrentamos.

swissinfo.ch: Há quem critique a sociabilidade que esta vida diplomática em Genebra envolve. Mas não seria ela essencial promover esta integração entre os vários atores na Genebra internacional?

V. Z.: Trabalhamos durante a crise do vírus Corona sem a possibilidade de nos reunirmos fisicamente. Só tivemos contatos por telefone ou videoconferência. As trocas informais e confidenciais não eram mais possíveis. Este é um sério obstáculo para o bom andamento de nosso trabalho diplomático.

Quando somos convidados para recepções e reuniões informais, é sempre por razões profissionais. Vou lá com objetivos específicos, para os quais preparo uma lista de perguntas e contatos. Estas reuniões são valiosas para meu trabalho, como descobri novamente após três meses de isolamento.

swissinfo.ch: Como embaixador da Suíça no Quênia, você deixa Genebra para Nairobi. O que o inspira a voltar à capital onde você começou sua carreira diplomática?

V. Z.: Houve muitas mudanças nos últimos 25 anos desde que cheguei a Nairóbi pela primeira vez. E muita coisa também mudou em nossa percepção da África. Agora vemos o continente como um parceiro forte, importante e potencial. A idade média na maioria dos países da África Subsaariana é de cerca de 20 anos, a média mais baixa de todos os continentes.

Há alguns desenvolvimentos muito interessantes no campo digital em Nairóbi. O Quênia é uma das nações líderes no campo da tecnologia financeira. Vou lá com este espírito de descobrir uma África com a qual queremos fortalecer laços, criar parcerias e resolver problemas juntos. Problemas como combater a pandemia de Covid 19, que até agora atingiu a África subsaariana com menos gravidade do que outras regiões do mundo.

Partilhar este artigo