Caso de corrupção derruba Procurador-Geral da Suíça

O Procurador-Geral da Suíça Michael Lauber (centro) em uma foto de arquivo Keystone / Peter Klaunzer

O Procurador-Geral da Suíça, Michael Lauber, que enfrenta um processo de destituição pela maneira como havia tratado um caso de corrupção da FIFA, entregou sua demissão após uma decisão judicial que criticava sua conduta.

Este conteúdo foi publicado em 24. julho 2020 - 11:50
swissinfo.ch/fh

A decisão de Lauber foi tomada depois que um tribunal federal na Suíça disse na sexta-feira que Lauber havia cometido várias violações de seus deveres oficiais e mentiu aos investigadores enquanto seu gabinete examinava a suposta corrupção em torno do órgão que dirige o futebol mundial, a FIFA.

Lauber fez declarações "implausíveis" sobre uma reunião não revelada com o Presidente da FIFA, Gianni Infantino, em junho de 2017, disse o Tribunal Administrativo Federal (TAF).

O tribunal concluiu que Lauber " fez intencionalmente uma falsa declaração" ao órgão de vigilância que investigava sua conduta e, conscientemente, ocultou a reunião.

"No geral, o tribunal considera que o Procurador-Geral Lauber cometeu várias violações do dever oficial", disse o tribunal.

Lauber entregou sua demissão para proteger a integridade de seu cargo, mas negou ter mentido, em uma declaração pessoal divulgada pelo Gabinete do Procurador-Geral nesta sexta-feira.

Lauber disse que sua saída seria "no interesse da instituição".

Declaração pessoal

"No interesse das instituições eu ofereço minha demissão", disse Lauber em declaração pessoal divulgada pela Procuradoria-Geral da Confederação na sexta-feira, afirmando que estava preocupado com a reputação do órgão.

Lauber insistiu novamente que ele não havia mentido, como ele já havia declarado anteriormente. "Entretanto, se eles [o tribunal] não acreditarem em mim como Procurador-Geral, então a Procuradoria-Geral da Confederação será prejudicada", disse.

Procurador-Geral desde 2012, Lauber já enfrentava um processo de impeachment movido por um promotor especial que analisava queixas criminais contra ele e Infantino, que negou qualquer ato ilícito.

Mais sobre o assunto:


Partilhar este artigo