Navigation

Skiplink navigation

Porque a participação da Suíça no plano de vacinas da OMS para Covid-19 é importante

Várias vacinas contra a Covid-19 estão sendo testadas atualmente, mas ninguém sabe ainda qual será segura e eficaz. Um banco de vacinas da OMS ajuda os países a limitar seus riscos. Keystone / Bagus Indahono

A segunda onda de coronavírus está tornando a corrida por vacinas ainda mais urgente. Em um movimento sem precedentes, a Organização Mundial da Saúde (OMS), com sede em Genebra, lançou neste verão a COVAX, um banco de vacinas que visa garantir o acesso equitativo para todos os países. 

Este conteúdo foi publicado em 17. novembro 2020 - 07:00

A Suíça, que também assinou dois acordos bilaterais com empresas de vacinas, pareceu hesitar em se inscrever, mas o fez. O que é COVAX e por que a participação da Suíça é importante?    

Thomas Cueni, diretor geral da Federação Internacional de Fabricantes de Produtos Farmacêuticos (IFPMA), diz que a participação da Suíça é vital. Dado o seu papel de país anfitrião da OMS e da organização Gavi Vaccine Allianc, bem como sua posição de copresidente (com Singapura) dos Amigos da COVAX. “Pessoalmente, sinto que a Suíça demorou um pouco para anunciar o seu apoio à COVAX ”, disse ele à swissinfo.ch.               

A Suíça não estava na lista inicial da OMS em 21 de setembro de países que se inscreveram, o que causou algumas sobrancelhas levantadas. No entanto, anunciou alguns dias depois que havia ingressado no pool de vacinas. Um porta-voz do Escritório Federal Suíço de Saúde Pública (FOPH) disse à swissinfo.ch que o atraso se deve ao "processo de assinatura" e que o compromisso de Berna é "firme".        

“Interesse próprio” 

A COVAX precisa de apoio financeiro para funcionar corretamente. E, além de mostrar solidariedade internacional, os especialistas concordam que também é do interesse da Suíça aderir. “Acho que é a decisão certa”, disse Suerie Moon, codiretora do Centro de Saúde Global do Instituto de Graduação em Genebra. Por ser um país pequeno, a Suíça não tem a influência de países de alta renda com grandes populações como Estados Unidos, Reino Unido, Japão e União Europeia, onde “pode haver um interesse comercial muito maior para qualquer empresa individual de vacinas”. Com a COVAX, “a Suíça tem um canal de acesso a uma cesta de vacinas para uso nacional”, disse ela à swissinfo.ch.           

Mas, como um país rico, a Suíça tem mais influência do que alguns outros países com populações pequenas e já assinou dois acordos bilaterais com empresas de vacinas. Em agosto, anunciou um acordo com a empresa americana de biotecnologia Moderna para garantir o acesso antecipado a 4,5 milhões de doses de uma vacina Covid-19 atualmente em desenvolvimento. As doses serão produzidas na Suíça por meio de uma parceria com a Lonza. E em outubro, anunciou que assinou um acordo com a empresa farmacêutica britânica AstraZeneca para pré encomendar até 5,3 milhões de doses de outra vacina Covid-19 também em desenvolvimento.                   

Vários outros países também ainda estão concluindo acordos bilaterais, notadamente os EUA, que ainda não assinaram a COVAX.      

“Estamos trabalhando para promover tratamentos e terapias como um bem público global - e apoiar os esforços para uma vacina popular disponível e acessível em todos os lugares”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, na Assembleia Geral da ONU em setembro. “Ainda assim, alguns países estão fazendo acordos paralelos exclusivamente para suas próprias populações. Esse “ vacinacionalismo ” não é apenas injusto, é autodestrutivo. Nenhum de nós está seguro, até que todos nós estejamos seguros. ”     

Protegendo seu risco  

O governo suíço afirma que a adesão à iniciativa COVAX é uma “medida complementar” aos seus acordos bilaterais. Pode ser complementar, porque ninguém sabe ainda quais vacinas vão funcionar, diz Moon. Mesmo que as que estão sendo desenvolvidas pela Moderna e AstraZeneca passem da linha de chegada, a Suíça “pode ter acesso a outras vacinas que podem funcionar melhor, ou que podem funcionar melhor em diferentes subgrupos da população”, explica ela. “É possível, por exemplo, que uma vacina seja comprovadamente segura e eficaz em adultos jovens e outra seja comprovadamente mais segura ou mais eficaz em pessoas mais velhas”.      

Por outro lado, o risco é que as empresas de vacinas que fazem acordos bilaterais não forneçam vacinas ou vacinas suficientes para a COVAX, alerta ela. “E eu realmente espero que o governo esteja se engajando nesse tipo de defesa política, porque o que realmente precisamos é que todas as grandes empresas concordem em reservar uma parte de seu fornecimento para COVAX, para todos os países em desenvolvimento que não podem acessar a vacina por meio bilateral. ”  

Comprar a COVAX “dá a você uma boa garantia de que terá acesso a uma ou várias vacinas que funcionarão”, diz Cueni, da IFPMA, que também tem sede em Genebra. “Não é uma apólice de seguro. É uma aceitação de risco, porque se você esperar até saber quais vacinas fazem isso, terá que esperar até que as empresas tenham atendido a esses acordos bilaterais. ”   

O que é COVAX? 

“COVAX é a única iniciativa global que está trabalhando com governos e fabricantes para garantir que as vacinas da Covid-19 estejam disponíveis mundialmente para economias de todos os meios financeiros”, de acordo com Gavi, a Vaccine Alliance que está presidindo a iniciativa junto com a  Coalition for Epidemic Preparedness Innovations (CEPI) e a  Organização Mundial da Saúde (OMS)  - trabalhando em parceria com fabricantes de vacinas de países desenvolvidos e em desenvolvimento, UNICEF, Banco Mundial, organizações da sociedade civil e outros.        

Mais de 90 países de renda mais alta, incluindo a Suíça, já se juntaram como membros autofinanciados. A eles se juntam 92 economias de baixa e média renda elegíveis para apoio na compra de vacinas. O objetivo é adquirir dois bilhões de doses de vacinas de diversos fabricantes até o final de 2021.   

Mas se funcionar, isso cobrirá apenas 20% da população - principalmente profissionais de saúde e as pessoas mais vulneráveis ​​à doença. Isso sem dúvida explica o desejo dos países mais ricos de assinarem acordos adicionais.

End of insertion

Dois potes

A Suíça está fornecendo 20 milhões de francos suíços (US $ 22 milhões) da assistência ao desenvolvimento em apoio à iniciativa de fornecer vacinas a países de baixa renda. Isso é “parte de um pacote de CHF 400 milhões aprovado pelo Conselho Federal para a luta global contra a pandemia”, de acordo com o escritório de saúde pública FOPH.      

Os países com autofinanciamento também têm a opção de contribuir com fundos adicionais para um segundo “pote” da COVAX para garantir vacinas de Covid-19 para suas próprias populações. 

Questionado sobre se a Suíça está fazendo isso, o FOPH disse à swissinfo.ch que “em setembro de 2020, a Suíça confirmou sua participação como país autofinanciável na iniciativa COVAX, a fim de obter vacinas para até 20% da população. O pagamento como participante autofinanciável no Mecanismo COVAX dependerá, em última instância, da escolha da (s) vacina (s) ”.   

Negócio responsável? 

Cueni diz que o IFPMA é um “parceiro ativamente engajado da COVAX Facility”. Existem várias vacinas candidatas no pool, incluindo alguns de seus membros. “Com a vantagem que eles têm, espero que o mecanismo seja capaz de garantir um preço muito bom”, disse ele à swissinfo.ch. “Nós, como indústria, não podemos discutir preços individuais ou política geral de preços, mas você viu declarações públicas de uma série de grandes empresas de que, durante a pandemia, elas trabalhariam sem fins lucrativos ou com preços socialmente responsáveis”.      

Isso parece bom demais para ser verdade. Mas Cueni diz que a pandemia de Covid-19 é um desafio global único e há grandes expectativas da ajuda das grandes farmacêuticas. “Para a indústria farmacêutica, também é uma questão de responder a esse senso de responsabilidade”, disse ele à swissinfo.ch. “Mas há uma segunda expectativa de que a indústria farmacêutica não explore isso. Esta é uma situação única, não é hora de colocar os lucros antes das pessoas. ”    

Adaptação: Clarissa Levy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo