Perspectivas suíças em 10 idiomas

Protesto da oposição desafia quarentena na Argentina, apesar de recordes de contágios

Mulher segura cartaz durante protesto contra as políticas de saúde do governo, na avenida 9 de julho, em Buenos Aires, Argentina, em 17 de agosto de 2020. afp_tickers

Milhares de pessoas se manifestaram nesta segunda-feira (17) contra o governo de Alberto Fernández na Argentina. Os protestos na capital, Buenos Aires, e nas principais cidades do país desafiaram a quarentena em meio a recordes de casos de coronavírus no país.

As marchas foram convocadas nas redes sociais e incentivadas por opositores depois que o governo anunciou na sexta-feira a prorrogação até 30 de agosto das medidas de confinamento na região metropolitana de Buenos Aires, que concentra 90% dos casos.

As manifestações incluíram reivindicações contra a reforma judicial proposta pelo governo, o pedido por medidas de segurança e políticas anticorrupção, entre outras.

Horas antes, o presidente pediu união durante um discurso pelo aniversário de morte do general José de San Martín (1778-1850), no qual questionou “a loucura dos outros”.

“Tivemos que viver um momento único da humanidade, não da Argentina, quando uma pandemia nos assedia, nos infecta, nos deixa doentes, nos mata e realmente temos que reconstruir um país que deixaram economicamente aniquilado”, disse ele, em referência ao governo de seu antecessor Mauricio Macri (2015-2019), sem mencioná-lo.

“Nos endividaram de forma impressionante, condicionaram o futuro de muitas gerações e mergulharam mais de 40% dos argentinos na pobreza”, disse Fernández.

“Unidos, tenho certeza de que venceremos”, disse Fernández, parafraseando San Martín.

De acordo com o último balanço, a Argentina registrou 294.556 casos e 5.750 mortes por COVID-19, além de novas infecções que ultrapassaram 5.000 por dia nos últimos sete dias.

A partir desta semana, as restrições às atividades comerciais e recreativas na região metropolitana de Buenos Aires se tornaram mais flexíveis, apesar do alto índice de infecções.

Na capital argentina, os manifestantes, a pé e em caravanas de automóveis, se aglomeraram em torno do Obelisco, no coração da cidade, com bandeiras argentinas e frases contra o governo.

Os cartazes também incluíam insultos à vice-presidente e ex-presidente Cristina Kirchner (2007-2015), que enfrenta vários processos judiciais.

Usando máscaras mas sem respeitar o distanciamento social, os manifestantes se amontoavam e gritavam “Liberdade, liberdade!”

Esta não foi a primeira marcha deste tipo desde o início do confinamento, mas foi a maior, com réplicas em várias cidades.

O governo decretou a quarentena em 20 de março, mas desde então a medida tem sido relaxada em grande parte do país. Também lançou uma ajuda social e empresarial milionária para sustentar uma economia em recessão desde 2018.

Preferidos do leitor

Os mais discutidos

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR