Navigation

França diz que Rússia e Ucrânia concordaram em buscar novo cessar-fogo

Este conteúdo foi publicado em 30. junho 2014 - 19:41

PARIS/MOSCOU (Reuters) - Os líderes da Rússia e da Ucrânia concordaram em atuar em conjunto para buscar um cessar-fogo entre os separatistas e as autoridades ucranianas e também para a rápida criação de controles eficazes de fronteira, informou o gabinete do presidente francês nesta segunda-feira. 

O anúncio foi feito depois de uma conversa telefônica entre a chanceler alemã, Angela Merkel, e os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, da Ucrânia, Petro Poroshenko, e da França, François Hollande, no segundo contato desse tipo entre os líderes nos últimos dias.

Depois da conversa, definida como longa pelo gabiente de Hollande, Putin e Poroshenko também concordaram em se empenhar na libertação de mais reféns e prisioneiros e na organização de "negociações tripartites substanciais", de acordo com o comunicado. 

No domingo, Poroshenko exortou Putin a fortalecer o controle das fronteiras da Rússia para impedir que militantes e armamentos entrem na Ucrânia, depois que novos episódios de violência romperam a trégua na região fronteiriça.

O cessar-fogo, declarado por Poroshenko em 20 de junho para permitir negociações de paz com os rebeldes pró-Rússia, iria expirar nesta segunda-feira. Esse era também o prazo limite dado pela UE à Rússia, do contrário o bloco europeu poderia impor novas sanções ao país.

A União Europeia assinou um histórico acordo de livre-comércio com a Ucrânia na sexta-feira e alertou que poderia impor mais sanções a Moscou se os rebeldes pró-Rússia não agirem para encerrar a crise no leste do país até esta segunda-feira.

(Reportagem de Ingrid Melander em Paris, e Gabriela Baczynska em Moscou, Reportagem adicional de Elizabeth Pineau em Paris)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?