Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Julian Assange, fundador do Wikileaks, fala com a imprensa na embaixada do Equador em Londres. 14/6/2014 REUTERS/Anthony Devlin/Pool

(reuters_tickers)

Por Johan Ahlander

ESTOCOLMO (Reuters) - Um tribunal sueco manteve nesta quarta-feira um mandado de prisão para o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que está há dois anos dentro da embaixada do Equador em Londres para escapar da extradição para a Suécia, onde é acusado de abuso sexual.

Promotores suecos querem interrogar Assange a respeito das acusações feitas por duas voluntárias do WikiLeaks. Assange nega as acusações e trava uma batalha judicial contra o pedido de extradição desde sua detenção na Grã-Bretanha, em dezembro de 2010.

Assange diz ter medo que a Suécia o entregue para os Estados Unidos para ser julgado pelo maior vazamento de informações secretas da história dos EUA.

"O tribunal distrital avalia que as razões para o mandado de prisão compensam a violação e efeitos adversos que a medida implica para Julian Assange", disse a juíza Lena Egelin.

"Assim sendo, ele continua sendo procurado para sua detenção", acrescentou.

Advogados de Assange argumentam que o mandado de prisão deveria ser rejeitado, porque não pode ser cumprido, enquanto ele estiver na embaixada e que os promotores não consideram a possibilidade de interrogá-lo em Londres.

Thomas Olsson, um dos advogados suecos de Assange, disse que vai recorrer da decisão.

O Equador, que concedeu asilo político a Assange, quer que Londres garanta uma passagem segura para ele viajar a Quito, mas o governo britânico cercou a embaixada com policiais 24 horas por dia para detê-lo se sair do prédio.

Em entrevista à Reuters no ano passado, Assange disse que não deixaria a embaixada em Londres, mesmo se a Suécia deixasse de procurá-lo pela acusação de abuso sexual porque teme ser preso por ordem dos Estados Unidos.

Reuters