Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Zonas especiais Basileia improvisa para lidar com prostituição de rua

A polícia da Basileia quer que as prostitutas respeitem a lei quando se trata de fazer negócios. Para isso, a cidade encontrou uma solução fora do comum. (SRF/swissinfo.ch)

Após reclamações dos moradores do bairro da luz vermelha de Basileia, as autoridades municipais acabaram marcando as áreas onde as prostitutas estão autorizadas a permanecer com pictogramas verdes especiais. Essas zonas oficiais foram definidas e comunicadas previamente às pessoas envolvidas com a prostituição, mas nem todas as prostitutas têm obedecido os regulamentos. As autoridades estimam que o número de trabalhadoras do sexo em Basileia seja em torno de 800. Apenas 30 a 50 delas trabalham realmente nas ruas. O restante trabalha em salões, bordéis, bares e serviços de acompanhantes.

Durante o ano passado, a polícia multou cerca de 120 mulheres à procura de clientes fora da zona delimitada. A situação tornou-se mais difícil, com uma alta rotatividade de mulheres provenientes de países do leste europeu, que aproveitam a possibilidade de viajar para a Suíça por até 90 dias sem visto. A maioria vem da Hungria, seguido por Alemanha e Espanha.

No ano passado, o governo propôs medidas para proteger melhor as trabalhadoras do sexo e lutar contra o tráfico de seres humanos. Um relatório de 140 páginas da Secretaria Federal de Polícia tenta esclarecer a questão, após a prostituição ter sido levantada várias vezes no Parlamento.

A prostituição é legal e regulamentada na Suíça desde 1942. No entanto, a prostituição de rua é ilegal, exceto em áreas especialmente designadas nas grandes cidades. A cidade de Zurique introduziu um sistema de garagens sexuais para as prostitutas de rua, que alega ter melhorado as condições de trabalho das interessadas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português