Navigation

'Plano S' pretende revolucionar acesso à ciência

A Comissão Europeia classificou a Suíça em segundo lugar (51,8%), atrás do Reino Unido (52,3%), pela porcentagem de publicações de livre acesso para o período 2009-2018. Keystone / Regina Kuehne

Uma ambiciosa iniciativa editorial de open-access (livre acesso), apoiada por alguns dos maiores financiadores de pesquisa do mundo, entrou em vigor em janeiro. O Plano S, como é conhecido, já começou a transformar o mundo científico. Mas seu sucesso depende da pressão contínua sobre as grandes editoras e de conseguir que países mais influentes como a Suíça se inscrevam.   

Este conteúdo foi publicado em 29. março 2021 - 15:30

Talvez você nunca mais tenha que pagar pela pesquisa científica - quer dizer, se o Plano S for bem sucedido. A iniciativa liderada pela Europa, em vigor desde 1º de janeiro, visa perturbar a indústria da pesquisa científica, tornando os trabalhos acadêmicos gratuitos online. Apoiada por mais de 20 grandes financiadores, a iniciativa lançada há três anos quer mudar completamente a forma como a pesquisa é financiada e retribuída.

Quase dois milhões de artigos acadêmicos são publicados todos os anos em cerca de 30.000 periódicos, mas apenas um terço deles é de livre acessoLink externo para leitura. Durante anos, as autoridades públicas tiveram que pagar aos editores para ler artigos de cientistas cuja pesquisa financiaram, que eles mesmos entregaram seu trabalho gratuitamente às mesmas empresas. Em 2015, as universidades suíças pagaram 70 milhões de francos suíços (76 milhões de dólares) em licenças de assinatura para ter acesso a 2,5 milhões de artigos atrás dos paywalls. Muitos desses artigos foram escritos por seus próprios pesquisadores.

O Wellcome Trust, a Fundação Bill & Melinda Gates e financiadores nacionais de pesquisa como Noruega, França e Itália fazem parte do consórcio internacionalLink externo que está por trás da iniciativa. Eles querem assegurar que as publicações resultantes de seu financiamento sejam "imediatamente disponibilizadas para que o mundo inteiro se beneficie, livre de qualquer período de embargo ou paywalls", de acordo com o diretor executivo da iniciativa, Johan Rooryck.

"O Plano S realmente abalou toda a indústria editorial acadêmica", diz Kamila Markram, diretora da Frontiers, uma editora de revistas científicas de livre acesso sediada em Lausanne.

Publicação pandêmica

Os apelos para mudar o lucrativo modelo de assinatura de trabalhos de pesquisa e para que as descobertas científicas sejam compartilhadas livre e amplamente têm sido feitos há anos. Recentemente, porém, eles cresceram mais alto, em parte devido a pandemias.

Em 2015, um grupo de pesquisadores seniores de saúde publicou uma carta abertaLink externo no New York Times declarando que a pandemia do Ébola poderia ter sido evitada se não fossem os paywalls. Eles citaram um artigo publicado em uma revista de 1982, apenas por assinatura, que advertia sobre o risco. 

No ano passado, a pandemia de Covid-19 deixou "cristalina" a importância do fácil acesso a publicações científicas, de acordo com Markram. Ela observa que a Casa Branca tornou todas as pesquisas relacionadas ao coronavírus antes de 2020 disponíveis online para qualquer pesquisador. As 200.000 publicações relacionadas à pandemia que saíram no ano passado foram todas de livre acesso.

Mas quando se trata de outras questões que ameaçam a vida, como câncer, doenças respiratórias e cardiovasculares e mudanças climáticas, Markram aponta que apenas cerca de 20-30% das pesquisas relacionadas são de livre acesso.

"É impressionante", diz ela.

Resistência à mudança

O objetivo do Plano S de transformar o ecossistema editorial acadêmico tem encontrado inúmeros obstáculos. Algumas grandes editoras e financiadores recusaram-se a se inscrever e o projeto foi adiado por um ano para ajudar as editoras menores na transição. No ano passado, o Conselho Europeu de Pesquisa decidiu retirar seu apoio às regras do Plano S que impediriam os pesquisadores de publicar em periódicos não julgados em transição para um modelo de livre acesso.

As grandes editoras comerciais Elsevier, Springer-Kluwer e Wiley-Blackwell possuem mais de 40% de todos os artigos publicados e a maioria das revistas de maior prestígio e de maior circulação. Após a oposição inicial, elas e outras editoras têm tentado se ajustar ao choque do Plano S e estão mudando seus modelos de assinatura pay-to-read em direção a um conteúdo de acesso mais aberto.

O Plano S forçou as grandes editoras a elaborar "acordos transformadores" para ajudá-las na transição. São contratos de prazo fixo negociados entre grandes editoras e bibliotecas ou universidades, nos quais as instituições públicas pagam taxas fixas para acesso ilimitado a certas revistas e seus pesquisadores podem publicar seus trabalhos abertamente, sem custo adicional.

Pesquisadores pagam a conta

No entanto, as tentativas de alguns editores de recuperar fundos perdidos em iniciativas de livre acesso podem acabar atingindo as carteiras dos próprios pesquisadores. Recentemente, várias empresas introduziram opções para os pesquisadores pagarem taxas (APCs) para que seus trabalhos sejam publicados em livre acesso em alguns de seus periódicos mais prestigiados. Nature Springer, que diz estar "comprometida em aderir ao Plano S", anunciou em novembro que cobrará dos autores até 9.500 euros (CHF10.200) para que seus trabalhos de pesquisa possam ser lidos gratuitamente na Nature e em outras 32 revistas. O alto preço causou reações fortes nos círculos acadêmicos.

A Springer Nature argumenta que seus custos são mais altos do que outros porque as revistas da marca Nature são altamente seletivas e revisam muito mais artigos do que os publicados. Elas também empregam muitos editores internos e outros funcionários. Mas os críticos advertem que os APCs altos correm o risco de ampliar as desigualdades entre disciplinas, universidades e regiões. 

A transparência nos preços pode melhorar devido ao Plano S, mas não está claro se a iniciativa irá reduzir os custos de publicação que podem ser altos para algumas disciplinas.

Beate Fricke, catedrático de história da arte pré-moderna na Universidade de Berna, aponta que quatro taxas estão envolvidas quando pesquisadores em sua área querem publicar. Eles devem comprar as imagens, pagar pelo direito de publicá-las e pagar uma taxa de processamento de artigos (APC). Em seguida, as bibliotecas têm que pagar a taxa de assinatura das revistas. 

"Um artigo tem 15-50 imagens, um livro tem 200 imagens e cada imagem custa 300 dólares - faça as contas", diz Fricke. 

De qualquer forma, os preços mais altos cobrados por algumas revistas dificilmente dissuadirão muitos pesquisadores que devem viver pela cultura "publish-or-perish" de buscar a publicação em títulos de prestígio.

"Em economia há um ranking das melhores revistas e um jovem pesquisador não tem escolha entre o acesso aberto ou não acesso aberto", disse Rafael Lalive, professor de economia da Universidade de Lausanne.

Observador suíço

Enquanto isso, a Suíça tem observado a iniciativa meio de lado. Os suíços manifestaram apoio ao Plano SLink externo, mas não se inscreveram, em parte devido ao timing. A Suíça tem sua própria estratégia nacional de livre acesso, elaborada em 2016, que tem objetivos semelhantes aos da iniciativa. Ela visa que todas as publicações científicas que se beneficiam do financiamento público suíço estejam disponíveis gratuitamente até 2024.

Acesso dourado ou verde?

A estratégia nacional de acesso aberto da Suíça permite que os cientistas publiquem seus resultados em revistas de livre acesso ou livros de livre acesso que são de acesso imediato e gratuito. Esse é o chamado acesso "dourado". 

O outro caminho é permitir que os pesquisadores publiquem seus resultados em uma revista com um paywall primeiro, e depois os coloquem em um banco de dados público após seis meses. Os livros estão sujeitos a um período de embargo de 12 meses. Esse caminho é conhecido como acesso "verde".

O mais popular para pesquisadores financiados pelo Fundo Nacional de Pesquisa Científica (SNSF) é o acesso dourado (22% em 2018-2019), seguido por revistas "híbridas" ou por assinatura (17%) e o acesso verde (14%).

End of insertion

A Comissão Europeia classificou a Suíça em segundo lugar (51,8%), atrás do Reino Unido (52,3%), pela porcentagem de suas publicações que foram de livre acesso para o período 2009-2018. E um monitoramento separado das publicações na Alemanha, Suíça e Áustria mostrou que 65% dos trabalhos publicados na Suíça foram de livre acessoLink externo durante os últimos quatro anos, um pouco mais alto do que na vizinha Alemanha (57%). Isto faz da Suíça um líder europeu na área de publicações de livre acesso, o que é uma das razões pelas quais os organizadores por trás do Plano S estão ansiosos para que a nação alpina participe do projeto.

European Commission

[Gold Open Access: resultados de pesquisa que são publicações em uma revista de acesso aberto; Green Open Access: resultados de pesquisa que são publicações em uma revista que também estão disponíveis em um repositório de acesso aberto; Hybrid Open Access: resultados de pesquisa que são publicações em uma revista por assinatura que são de acesso aberto com uma licença clara; Bronze Open Access: resultados de pesquisa que são publicados em uma revista por assinatura que são de acesso aberto sem uma licença].

"Vamos considerar isso", disse Tobias Philipp, um diretor científico do Fundo Nacional de Pesquisa Científica da Suíça (SNSF), observando que a possível adesão da Suíça ao Plano S estará "em discussão em algum momento deste ano".

Um ponto de controvérsia para a Suíça tem sido a incerteza sobre como o Plano S seria implementado. Isso se tornou muito mais claro nos últimos anos, diz Philipp. Sua organização, que financia a maioria da pesquisa científica suíça, está atenta para ver se o esquema europeu de financiamento científico Horizon Europe inclui os princípios do Plano S em seus requisitos para a forma como a pesquisa é publicada. Se isso acontecer, Philipp diz que seria uma razão para a Suíça "reconsiderar seriamente" sua posição sobre o Plano S.

Entretanto, a federação das instituições de ensino superior suíças, a swissuniversities, assinou acordos com duas das três maiores editoras: Elsevier (CHF15 milhões) e Springer (CHF13 milhões). As negociações estão em andamento com Wiley. As três editoras são responsáveis por 60% dos artigos consultados na Suíça.

Esses acordos e o surgimento do Plano S são um sinal de que o mundo da publicação científica está em um ponto de inflexão? Markram, cuja revista Frontiers foi pioneira em conteúdo de livre acesso, diz que ela "vai acreditar quando vir", tendo previsto uma mudança há sete anos que ainda não chegou.

"O sistema editorial é muito resistente à mudança", diz ela. "Há muita conversa e iniciativas sobre mudanças, mas o ponto de inflexão ainda não chegou. É um sistema extremamente conservador".

Quantos trabalhos de pesquisa?

As instituições de pesquisa suíças fornecem cerca de 1,7% (número de 2016) do número total anual de artigos científicos publicados no mundo todo, em comparação com 23% para os Estados Unidos, 7% para o Reino Unido e 6% para a Alemanha. Entre as universidades suíças, o Instituto Federal de Tecnologia ETH Zurich publica o maior número (16%), seguido pela Universidade de Zurique (15%), a Universidade de Genebra (10%) e a Universidade de Berna (10%), juntamente com seus respectivos hospitais universitários.

End of insertion

Adaptação: Fernando Hirschy

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.