Navigation

Entidade reguladora do Canadá investiga empresa americana por reconhecimento facial

(Arquivo) O órgão responsável por fiscalizar as questões de privacidade no Canadá investiga uma startup americana afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. fevereiro 2020 - 22:56
(AFP)

O órgão canadense de fiscalização das questões de privacidade anunciou nesta sexta-feira (21) que investiga uma startup americana que, segundo o comunicado, seria capaz de comparar imagens de rostos desconhecidos com fotos que retirou de milhões de sites e redes sociais.

Em comunicado, o Escritório da Comissão de Privacidade disse que a compilação e o armazenamento feitos pela empresa de tecnologia Clearview AI, que conta com mais de três bilhões de fotos, violaram potencialmente a lei canadense caso as imagens tenham sido obtidas sem autorização.

As fotos, retiradas de redes sociais como o Facebook, Instagram, Twitter e YouTube são utilizadas nesse software de reconhecimento facial.

O fundador da startup, Hoan Ton-That, disse que a tecnologia ficou disponível para mais de 600 organizações de forças de segurança no Canadá e nos Estados Unidos, incluindo o FBI e o Departamento de Segurança Nacional.

Alguns bancos também estão utilizando a ferramenta para investigações de fraude, informaram o The New York Times e a CNN.

Segundo os comunicados, gigantes tecnológicos como o Twitter e o Facebook pediram que a empresa não use fotos existentes em suas plataformas.

Em Nova Jersey, as forças policiais foram proibidas de usar o software enquanto ele está sendo avaliado.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.