Navigation

Ministério do Meio Ambiente critica fusão anunciada por Bolsonaro

(Arquivo) O presidente eleito Jair Bolsonaro afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 31. outubro 2018 - 16:47
(AFP)

O Ministério do Meio Ambiente recebeu nesta quarta-feira com "surpresa e preocupação" a decisão anunciada no dia anterior pelo governo eleito de Jair Bolsonaro de fundir esta pasta com o Ministério da Agricultura.

"Os dois órgãos são de imensa relevância nacional e internacional e têm agendas próprias, que se sobrepõem apenas em uma pequena fração de suas competências", afirma o ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, em um comunicado.

A declaração alerta que a medida terá consequências negativas para o cuidado do meio ambiente e para a economia do gigante sul-americano.

Essas críticas estão em sintonia com as de ONGs ambientalistas que temem que a área ambiental do país mais megadiverso do mundo seja deixada para os poderosos interesses do agronegócio.

"Protegemos nossas riquezas naturais, como os biomas, a água e a biodiversidade, contra a exploração criminosa e predatória, de forma a que possam continuar cumprindo seu papel essencial para o desenvolvimento socioeconômico", afirma ainda o texto, que propõe um diálogo transparente e qualificado com o governo eleito no período de transição.

Na véspera, o presidente eleito Jair Bolsonaro, anunciou que pretendefundir os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, uma das medidas mais polêmicas de seu programa.

"Agricultura e meio ambiente estarão no mesmo ministério, como desde o primeiro momento", disse Onyx Lorenzoni, que a partir de 1º de janeiro de 2019 será o ministro da Casa Civil do governo Bolsonaro.

Segundo o programa, Bolsonaro planejava unir em um único ministério as áreas do governo que se ocupam de política econômica e agrícola, de recursos naturais e do meio ambiente rural.

Na reta final de sua campanha, o presidente deu sinais de que poderia não executar esta fusão, dizendo-se aberto a negociar o tema.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.