Navigation

Ucrânia, Rússia, Alemanha e França acertam novas negociações de cessar-fogo até sábado

Da esquerda para direita, os chanceleres da França, Laurent Fabius, Ucrânia, Pavlo Klimkin, Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, e Rússia, Serguei Lavrov, em Berlim. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 02. julho 2014 - 17:42
(AFP)

Kiev, Moscou, Berlim e Paris pediram nesta quarta-feira a abertura de negociações sobre um novo cessar-fogo na Ucrânia, com a participação da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) até sábado.

Em uma declaração conjunta, os ministros das Relações Exteriores da Ucrânia, Rússia, Alemanha e França, "exortaram o Grupo de Contato a se reunir novamente, o mais tardar em 5 de julho, a fim de chegar a um acordo (...) sobre um cessar-fogo durável".

O Grupo de Contato é formado por Ucrânia, Rússia e OSCE.

"O cessar-fogo deve ser supervisionado pela missão especial da OSCE na Ucrânia, em conformidade com o seu mandato", declararam os ministros ucraniano, Pavlo Klimkine, russo, Sergueï Lavrov, alemão, Frank-Walter Steinmeier, e francês, Laurent Fabius.

"Os ministros concordam em tomar todas as medidas necessárias e usar sua influência sobre todas as partes envolvidas para alcançar este objetivo", disseram eles, ressaltando "a importância de uma rápida libertação de todos os reféns".

Os quatro ministros concordaram que os postos de fronteira russo-ucraniana estavam de volta sob o controle de Kiev.

Eles elogiaram o fato de a Rússia ter permitido o acesso aos guardas de fronteira ucranianos ao território russo para alcançar os postos de Gukovo e Donetsk, em caso de cessar-fogo.

"Acredito que este é um primeiro passo e um passo importante na direção de um cessar-fogo bilateral", disse Steinmeier, durante uma coletiva de imprensa conjunta após a reunião.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?