Navigation

Um em cada sete residentes na Suíça foi vítima de ataque cibernético

O número de ataques cibernéticos na Suíça só tem crescido nos últimos anos. Keystone / Sascha Steinbach

Cerca de um milhão de pessoas na Suíça foram vítimas de ataques cibernéticos, segundo um estudoLink externo realizado pelo instituto de pesquisa gfs-zürich e publicado na quinta-feira, revelando que 15% das pessoas entrevistadas foram afetadas por ataques online.

Este conteúdo foi publicado em 29. março 2019 - 15:25
Keystone SDA/sb

Apesar disso, mais da metade dos entrevistados disseram que estavam bem informados sobre como se proteger contra ataques online. Aqueles que disseram que estavam mal informados sobre a segurança cibernética, no entanto, disseram que se sentiam seguros usando a Internet.

Ao todo, 92% das pessoas entrevistadas disseram possuir pelo menos um dispositivo conectado à internet, incluindo computadores, smartphones e televisores. Metade dos usuários disseram que usaram a mesma senha mais de uma vez ou em todos os dispositivos.

“A segurança cibernética é uma questão que deve ser enfrentada em conjunto pela administração pública, pelo setor privado e pelos políticos. Para isso, é importante informar o público em geral sobre os riscos cibernéticos e aumentar a conscientização sobre eles”, disse Pascal Lamia, diretor do Centro de Relatórios e Análises para Garantia da Informação (MELANI), em um comunicado.

A pesquisa foi conduzida em nome da organização ICTswitzerland, da Sociedade de Segurança da Informação da Suíça (ISSS), da Academia Suíça de Ciências de Engenharia (SATW), da Swiss Internet Security Alliance (SISA), swissICT e SWITCH, em associação com o MELANI.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.