Línguas estrangeiras e francês em ascensão na Suíça

A paisagem linguística na Suíça mudou nos últimos 40 anos. O alemão (e o suíço-alemão), o italiano e o romanche perderam terreno, enquanto que as línguas não-nacionais e o francês ganharam força desde a década de 1970.

Este conteúdo foi publicado em 29. março 2018 - 12:30
Uma em cada cinco pessoas na Suíça com mais de 25 anos estuda uma língua estrangeira quando adulta Keystone

A proporção de pessoas que falam suíço-alemão como sua língua principal caiu de 66% para 63% entre 1970 e 2016, de acordo com os números publicados pelo Departamento Federal de Estatísticas na quarta-feira (28).

O número de falantes de italiano e romanche também caiu, de 11% para 8% e de 0,8% para 0,5%, respectivamente.

Em contraste, a proporção de falantes de francês no país aumentou de 18% para 23% no mesmo período.

A Suíça deve preservar seu multilinguismo?

A proporção de pessoas que não falam uma língua nacional suíça como primeira língua aumentou significativamente: de 4% em 1970 para 22% em 2016.

O departamento de estatística disse que esse aumento está relacionado a uma mudança no questionário, que permitiu que as pessoas mencionassem vários idiomas principais desde 2010. Português e inglês são as duas línguas estrangeiras mais citadas.

Trabalho x casa

O suíço-alemão é o idioma mais falado no trabalho (65%), seguido do alemão (35%) e do francês (29%). Cerca de 19% das pessoas falavam inglês no trabalho e 9% falavam italiano.

Em casa ou conversando com parentes, as pessoas geralmente falam suíço-alemão (59%) ou francês (24%). Outras línguas faladas em ambiente familiar são o alemão (11%) e o italiano (8%). Inglês (5%) e português (4%) foram novamente as línguas estrangeiras mais citadas neste contexto.

Uma em cada cinco pessoas na Suíça com mais de 25 anos estuda uma língua estrangeira quando adulta.

O inglês foi escolhido com mais frequência por 35% dos alunos adultos em todas as regiões linguísticas do país. É uma escolha muito mais popular do que o francês (15%), alemão (13%) e italiano (11%).



Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo