Perspectivas suíças em 10 idiomas

O bordado tradicional de St. Gallen, na sua versão “globalizada”

imagem
Keystone / Rene Ruis

Os têxteis de alta qualidade de St. Gallen ainda existem. Forster Rohner fornece seus bordados a marcas líderes na moda e na lingerie. E mesmo que parte de sua produção ocorra na China, Romênia e Bósnia, a diretora-executiva Caroline Foster afirma ter um forte apego à Suíça.

Fundado em 1904, a empresa familiar Forster Rohner é um dos principais fornecedores mundiais de bordados exclusivos para os setores de alta costura, prêt-à-porter e lingerie. Com sede no cantão de St. Gallen (leste), o grupo inclui as empresas Jakob Schlaepfer AG e Inter-Spitzen AG, e emprega cerca de 850 pessoas na Suíça e no exterior (China, Bósnia e Romênia). Caroline Forster, codiretora do grupo, foi entrevistada pela swissinfo.ch em sua sede em St. Gallen.

Série: Mulheres no comando 

As mulheres ainda são amplamente sub-representadas nos escalões mais altos da economia. Por exemplo, apenas 13% dos cargos de direção das 20 empresas listadas no principal índice da bolsa suíça, o Swiss Market Index (SMI), são ocupados por mulheres. Nesse aspecto, a Suíça não tem um bom desempenho para os padrões internacionais. Ao longo deste ano, a SWI swissinfo.ch decidiu dar voz a gestoras de empresas suíças que atuam em todo o mundo. Essas representantes da economia suíça discutem os desafios mais urgentes de seus negócios atualmente, desde a crise do coronavírus até o lugar da Suíça na economia global.

swissinfo.ch: Sua empresa fornece têxteis para muitas marcas de prestígio, como Chanel, Dior e Calida. Em que medida você pode mencionar essas marcas?

Caroline Foster: Em muitos casos, com o acordo de nossos clientes, temos a possibilidade de mencionar suas marcas, mas de uma forma discreta. É claro que estamos muito orgulhosos de trabalhar para todas essas grandes marcas e de ver roupas feitas de nossos tecidos sendo usadas por celebridades como a ex-primeira-dama dos EUA, Michelle Obama. Além disso, somos capazes de atrair funcionários muito competentes. No entanto, como fornecedor têxtil, nosso modelo de negócios exige que mantenhamos um perfil bastante baixo.

swissinfo.ch: Mas na indústria do vestuário, as marcas de certos fornecedores (Lycra, Gore-tex, Vitali Barberis, Canonico, etc.) são frequentemente mencionadas nos produtos finais.

C.F.: Sem dúvida, mas para os produtos bordados isso não é nada comum.

swissinfo.ch: Além de vender seus produtos têxteis para grandes marcas, você também tem vendas diretas. Você planeja crescer através desses canais de distribuição?

C.F.: Temos nossas próprias lojas em Zurique e St. Gallen, um ponto de venda de fábrica em St. Gallen e algumas vendas on-line. Entretanto, estas vendas diretas são destinadas a alguns poucos entusiastas da alta costura e este nicho será sempre muito pequeno.

swissinfo.ch: A indústria da moda é caracterizada por uma forte sazonalidade e, portanto, por ciclos muito curtos. Como você lida com esses desafios?

C.F.: A comercialização de novas coleções a cada estação é inicialmente uma vantagem para nós, pois se alguns de nossos têxteis não vendem bem, rapidamente temos novas oportunidades de oferecer novos produtos. Por outro lado, os ciclos mais longos da moda nem sempre são favoráveis para nós. Pode acontecer que, durante vários anos, a tendência seja de simplicidade e uniformidade de cores, com o mínimo de uso de nossos produtos bordados.

Biografia

Depois de estudar economia na Universidade de St. Gallen, Caroline Forster ingressou na empresa familiar Forster Rohner em 2005. Desde 2016, ela tem co-gerido este grupo com seu irmão Emanuel Forster. Caroline Forster também é diretamente responsável por duas unidades de negócios de seu grupo: a Inter-Spitzen AG e a Forster Rohner Textiles Innovation. Além disso, a executiva nativa de St. Gallen é membro do conselho de administração da Faculdade de Economia, onde ela representa a Suíça Têxteis, a organização patronal da indústria têxtil e de vestuário suíça.

swissinfo.ch: Como muitas empresas, você enfatiza sua capacidade de inovação. O que a torna diferente das outras empresas?

C.F.: Quando se trata de inovação, o fator decisivo é a competência de nosso pessoal. Na região de St. Gallen, temos acumulado know-how ao longo de gerações e somos capazes de inovar em uma variedade de áreas, incluindo processos, materiais e engenharia elétrica. Também podemos testar rapidamente a possibilidade de fabricação de nossas inovações em nossa fábrica piloto em St. Gallen. Finalmente, colaboramos com a Escola Politécnica Federal de Zurique (ETH), os Laboratórios Federais Suíços para Teste e Pesquisa de Materiais (EMPA) e várias universidades de ciências aplicadas.

swissinfo.ch: A indústria têxtil é muito poluente. Como você está ajudando a reduzir a poluição?

C.F.: Para nosso grupo, a sustentabilidade não é um argumento de vendas, mas uma preocupação real. A sustentabilidade também está consagrada em nossos três valores fundamentais: o respeito ao meio ambiente, a atenção aos aspectos sociais e o valor agregado econômico. Este último é necessário para garantir o futuro de nosso grupo e leva em conta o fato de que os clientes de hoje estão frequentemente dispostos a pagar um pouco mais por produtos ecologicamente corretos.

Em termos concretos, introduzimos diversas iniciativas de sustentabilidade, tais como uma forma inovadora de tingir nossos têxteis com base microbiológica, o uso de amostras virtuais e o aumento do uso de matérias-primas recicladas.

swissinfo.ch: Quais são seus planos de crescimento, especialmente no exterior?

C.F.: Atualmente somos líderes de mercado em nosso setor na Europa e cobrimos principalmente os mercados europeu, asiático e norte-americano. Entretanto, os clientes de nossos clientes estão localizados em quase todos os lugares do mundo. Recentemente, ganhamos participação de mercado, em parte através do crescimento orgânico e em parte através da aquisição da firma Jakob Schlaepfer em 2016. Atualmente, nosso objetivo é fortalecer nossa presença nos três continentes mencionados, com um foco especial em nossos têxteis de nova tecnologia.

swissinfo.ch: No campo da relojoaria e da engenharia de precisão, o grupo Acrotec, baseado no Jura, adquiriu cerca de 30 pequenas empresas. Seria este um modelo para seu grupo?

C.F.: Já adquirimos e integramos várias empresas, principalmente por razões de economias de escala. No entanto, atingimos um tamanho crítico e não somos forçados a continuar esta consolidação. Sem subestimar os esforços de integração, poderíamos, no entanto, continuar a adquirir, caso a caso, se surgirem excelentes oportunidades.

imagem
Keystone / Rene Ruis

swissinfo.ch: O Conselho de Administração da Forster Rohner AG é composto exclusivamente de suíços de língua alemã e inclui apenas uma mulher. Você não é a favor da diversidade?

C.F.: Este quadro de cinco pessoas é mais heterogêneo do que parece. Ainda assim, temos discussões reais com a participação ativa dos diretores executivos da Ypsomed (tecnologia médica) e da Baumann (engenharia mecânica). Meus dois irmãos também são membros desta diretoria. Na verdade, sou a única mulher e não escondo o fato de que não ficaria infeliz se as mulheres estivessem melhor representadas. No entanto, em nível operacional, nosso grupo emprega uma maioria de mulheres, inclusive em cargos de gerência.

swissinfo.ch: A chefia de seu grupo está em St. Gallen, mas a maior parte de sua produção foi relocalizada para a China, Bósnia e Romênia. Você ainda pode justificar sua etiqueta suíça?

C.F.: Para nossos clientes, não é o local de produção que é importante, mas nossas habilidades e referências. Atualmente, somos a única empresa em nosso setor que ainda tem uma produção real na Suíça, principalmente para cobrir o segmento de alto gabarito. Como mencionado anteriormente, nossa produção em St. Gallen desempenha um papel importante, pois nos permite testar rapidamente a possibilidade de fabricação de produtos novos e altamente complexos desenvolvidos na Suíça.

swissinfo.ch: Quais funções você ainda manterá na Suíça?

C.F.: Além da administração do grupo, estou pensando principalmente no design de nossos produtos, pois este é um de nossos principais pontos de venda. Além disso, queremos manter a maioria das funções comerciais na Suíça, com uma equipe muito internacional.

swissinfo.ch: Como você vê as condições estruturais na Suíça?

C.F.: As condições estruturais em nosso país continuam boas. Gosto particularmente das leis trabalhistas, que são muito flexíveis e bastante favoráveis aos empregadores. O cantão de St. Gallen é competitivo do ponto de vista fiscal, especialmente desde a última reforma tributária corporativa; por exemplo, nosso grupo se beneficia da excelente dedutibilidade dos custos de pesquisa. Mas devemos ter cuidado para não regulamentar em excesso, por exemplo, na área da sustentabilidade. Isto prejudicaria os pontos fortes tradicionais da Suíça. É melhor contar com o senso de responsabilidade das empresas. 

Adaptação: DvSperling

Preferidos do leitor

Os mais discutidos

Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR