Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Fotógrafo suíço expõe na Trienal de Milão

Michel Comte: Jeff Koons 1992

Tina Turner dança para as lentes do fotógrafo Michel Comte. É a última foto de um longo percurso iniciado com Carla Bruni atônita, posando com ar de espanto.

Entre uma e outra, na Triennale de Milão - templo das artes internacionais - estão 90 imagens que ajudaram a escrever a história da fotografia contemporânea através do olhar deste suíço, cidadão do mundo, nascido em Zurique, 56 anos atrás.

Michel Comte é um retratista atento, capaz de desfocar as regras para adaptá-las a cada personagem, famoso ou anônimo. Para ele a fotografia é uma segunda pele do objeto fotografado, senão for a primeira “aprisionada” pela luz e pelo jogo químico da revelação.

Se não fosse assim, como explicar fotos que revelam, mas, paradoxalmente,  não exibem? A fotografia como janela da  alma dos fotografados. Michel Comte exorcisa seus personagens com a força da criatividade com a qual os próprios defendem suas identidades com unhas e dentes e punhos. E eis o lutador Mike Tyson, de joelhos, com os pulsos enfaixados e o rosto escondido entre os braços, antes de subir ao ringue, quase numa reverência a quem viola este momento sagrado e íntimo e solitário.

Ou quem imaginaria ver um Sting de cócoras,  com a cabeça entre as pernas, irreconhecível?!  " A melhor imagem da alma é o corpo humano”, repete Michel Comte como um mantra do seu trabalho.

Á música e ao esporte chegariam as cameras fotográficas de Michel Comte, praticamente logo após a sua afirmação no campo da moda. Depois de ter sido descoberto pelo estilista Karl Lagerfeld, o fotógrafo suíço não abandonou mais as primeiras páginas da principais revistas do setor.

Corria o ano de 1978 e, de lá para cá, ele assinaria as principais campanhas de publicidade de moda na Europa e nos Estados Unidos para os grandes nomes como Armani, Versace e Dolce & Gabbana.  Mas elas seriam um importante o laboratório de criação de uma nova linguagem transportada para as propagandas de marcas importantes.

Como consequência natural de um percurso marcado pelo desejo de conhecer e explorar novas realidades, Michel Comte também se aventuraria no campo da foto-reportagem e do documentário. Esta experiência que o levaria às zonas “quentes” do planeta, trabalhando para a Cruz Vermelha.

Em cenários de guerra, Michel Comte usou a sua sensibilidade para retratar rostos anônimos no Afeganistão, Iraque, Angola, Etiópia, Bósnia e usar os direitos de imagens para sustanter o projeto “People and Places with no Names”.  “Apenas um fotógrafo de talento é capaz de fazer o obsevador ir além de ver a fotografia, de fazer “sentir” a imagem. Comte   pode fazer isso porque ama o que fotografa ou quem retrata”, afirma Serena Baccaglini, coordenadora da exposição.

Retratista

A seleção de imagens mostra o percurso de Michel Comte como capaz de criar ambientes e poses, demonstrando uma grande interatividade entre a objetiva da camera e o seu objeto. O segredo é “desnudar” do peso da fama as celebridades e “vestir” com exclusividade as faces anônimas. Entre o fotógrafo e o fotografado existe um único filtro, o da câmara.

O retrato de Sharon Stone caminhando sorridente ao lado do estilista Valentino mostra bem a idéia desta versão luxo do “paparazzi” Michel Comte. Os cabelos esvoaçantes de Penelope Cruz, dez anos atrás, já adornavam o rosto da estrela do cinema em ascenção. Frank Zappa, usando uma guitarra como escudo. A atriz Geraldine Chaplin, tantas vezes retratada por Comte diria: “ ele é um aventureiro, um cavaleiro errante, um nômade com a câmara fotográfica”.

Nos anos 80 e 90 – período principal da mostra- o autodidata suíço já dava as cartas e colhia os louros de ter aberto o caminho para os futuros retratistas. Não por acaso, a exposição se chama “Crescendo Fotográfico”, ou seja, uma escalada de clicks, cada um mais original do que outro, incluindo aqueles realizados para campanhas filantrópicas a favor do sexo seguro, nos anos terríveis do contágio da Aids.

Personagens do mundo do cinema emprestam a imagem para alertar sobre o perigo iminente. Atrás das cameras está sempre ele, Michel Comte.  “O grande salto foi o de propor-se ele próprio como uma marca internacional, num ambiente muito competitivo. Comte consegue extrair dos seus personagens as maiores  liberdades de expressão e de gesto ”, afirma o curador da mostra Walter Keller.

Os negativos

Michel Comte navega entre as cores e a fotografia em preto e branco com a mesma desenvoltura.  A intuição,  o domínio da técnica e o sentido estético formam o tripé que garante a foto perfeita, o retrato único, a essência da imagem. “Eu sempre vivi no fio da navalha”, repete Michel Comte. E foi a ousadia que o levou à fama sem tirar os pés do chão, mesmo tendo a cabeça nas nuvens. “Sem correr risco eu viro a página”, afirma ele ao reconhecer a herança transmitida pelo avô Alfred Comte, pioneiro da aviação suíça.

A ousadia premiada chega como resultado de uma pesquisa incessante, exaustiva. Michel Comte, consume rolos e rolos de negativo.  É na sala escura da revelação que o fotógrafo vai “pescar” a imagem supreendente, a expressão singular, a foto inédita. Para mostrar este momento tão solitário e importante, Michel Comte abriu os arquivos das fotos “abandonadas” no baú. Os arquivos pessoais dele são um tesouro para quem ama a arte da fotografia.

A generosidade de expor-se é inversamente proporcional ao tamanho das fotos. Fotografias em miniatura que trazem à luz a grandeza do trabalho de Michel Comte. A paciência e atenção de vasculhar as diferentes imagens, jogar uma lente de aumento em cima de cada uma e escolhar a foto que vai fazer a diferença. Como um francoatirador, ao apresentá-la ao público, quer na primeira página de uma revista, quer numa exposição, ele assume o risco de disparar o obturador e capturar o alvo.  E este é o objetivo final: clicar a fotografia perfeita, aquela que o visitante vai lembrar, para sempre.

Saiba mais

Michel Comte segue os passos do filósofo austríaco Ludwig Wittgestein (1889-1951) que sustentou no tratado Investigações Filosóficas que não existe melhor imagem da alma do que o corpo humano.

O fotógrafo suíço vive entre a Europa e os Estados Unidos.

Ele possui a fundação Michel Comte Water Foundation.

Em 1978, aos 24 anos, ele foi descoberto por Karl Lagerfeld e fez com sucesso a campanha para Ungaro e Chloé. Dali em diante não parou mais. De Paris para a América foi um salto sem rede sobre o oceano Atlântico.

Em 1981, ele abriria um estúdio em Nova York. Mais tarde mudaria para Los Angeles.

A mostra tem 87 fotos e 20 collages.

Incontáveis as primeiras página para revistas como American Vogue, Interview e Vanity Fair.

A mostra na Triennale de Milão vai até o dia 3 de julho.

Aqui termina o infobox

swissinfo.ch


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.









Teaser Longform The citizens' meeting

Teaser Longform The citizens' meeting

The citizens' meeting