História e religião

Meio milênio de Reforma na Suíça

Quando pensamos no nascimento do protestantismo, geralmente é a Alemanha e Lutero que vêm à mente primeiro. Mas a Suíça também fez uma grande contribuição para esta página da história religiosa. Entre Zurique, com Zwingli, e Genebra, com Calvino, a Suíça também pode ser vista como o berço do protestantismo.

Este conteúdo foi publicado em 12. março 2020 - 16:51
Corinna Staffe (ilustração)

Na Suíça e em outros lugares, a maioria das comemorações aconteceram em 2017, no 500º aniversário da publicação das famosas teses de Martinho Lutero na Alemanha. Mas na Suíça, o movimento foi um pouco mais tarde.

O personagem principal da Reforma Suíça é Ulrich Zwingli. Vigário de St. Gallen, ele chegou a Zurique em 1519 e rapidamente começou a pregar. Em alguns anos, a igreja da cidade foi completamente reformada e finalmente chegou no ano de 1525, quando Zurique aboliu oficialmente a missa católica.

Fato engraçado: essa reforma que deixou uma marca duradoura no cenário religioso suíço começa em torno de uma história de... salcicha.

O fato é que, na Suíça, a Reforma não pode ser reduzida a um único personagem e um único local. Genebra era outro grande centro do protestantismo.

O advogado francês João Calvino chegou a Genebra em 1536. Um ano antes, na Basileia, ele havia publicado um dos textos teológicos mais influentes da Reforma, o Institutio christianae religionis. Em alguns anos, sua transformação rigorosa da Igreja transformou Genebra em um dos faróis da Reforma em escala mundial. É por isso que a cidade é frequentemente chamada de "Roma Protestante".

Os reformadores de Zurique e Genebra deram um novo impulso ao movimento e o protestantismo como o conhecemos hoje foi fortemente influenciado pelo que aconteceu na Suíça do século XVI. Em 1566, as duas igrejas chegaram a um acordo doutrinário (a Confissão helvetica posterior) que sancionava definitivamente o papel da Suíça como o segundo maior centro da Reforma, um centro alternativo ao dos luteranos.

A história dos reformadores suíços pode parecer distante. Mas, como tantas vezes na História, não é inútil recordar e comemorar os fatos do passado. É uma "oportunidade de refletir sobre sua história e identidade", como aponta Joël Burri, editor da agência de notícias protestante Protestinfo.

Zurique e Genebra não são as únicas cidades a terem aderido à Reforma. As ideias protestantes espalharam-se por muitas partes da Suíça e pelos países aliados. Contudo, nem toda a Suíça adere à nova doutrina. Muitos territórios permaneceram católicos. Algumas regiões são até confessadas como mistas, como os Grisões. 

Esta Suíça multiconfessional que ainda hoje conhecemos nasceu, portanto, no início do século XVI. O resultado é uma paisagem religiosa particularmente diversificada, com uma multiplicidade de tradições.

No entanto, o protestantismo tem perdido muito terreno na Suíça. Já não é a religião maioritária do passado. O catolicismo aguentou-se melhor, sobretudo por causa da imigração de países latinos. Mas também já não é tão importante como era no passado.

Nas igrejas e templos, os bancos ficam bem esparsos durante a missa ou o culto. E para as autoridades religiosas, a expressão "pregação no deserto" assume todo o seu significado. Tanto que a questão se coloca regularmente: a Suíça ainda é uma nação cristã?

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo