Navigation

Monocultura da soja dizima floresta paraguaia

A produção de soja prejudica as florestas. Keystone

O que resta da Mata Atlântica no Paraguai está seriamente ameaçado pela agricultura, especialmente pela monocultura da soja.

Este conteúdo foi publicado em 20. fevereiro 2007 - 10:28

O Fundo Mundial pela Natureza (WWF) e um casal de suíços lançaram uma campanha internacional para proteger as últimas florestas paraguaias.

A floresta paraguaia desaparece rapidamente. Em algumas regiões, o desmatamento chega a 90% para dar lugar à cultura de soja, exportada sobretudo para alimentar animais na Europa e na China.

Cortar as matas significa também a perda da diversidade e de espécies raras. Para tentar frear a destruição, apoiamos uma iniciativa internacional na Ásia e na América Latina, afirma Bella Roscher, coordenadora do projeto na seção suíça do WWF - Fundo Mundial pela Natureza.

Roscher falou da iniciativa ao público que assistiu à projeção do documentário "Christine e a floresta", durante o Fórum Cinematográfico sobre Meio Ambiente, organizado em Berna pela Associação Latino-América-Suíça (ALAS).

Em certas regiões do planeta, a destruição é muito rápida. "Enquanto na América do Sul, desmata-se para plantar soja, na Ásia ocorre o mesmo fenômeno mas para plantar palmeiras para a extração de óleo", explicou a swissinfo a sueca Roscher.

Com essa iniciativa, o WWF tenta envolver todos os atores do mercado, principalmente associações de lavradores e de mulheres, grandes e pequenos produtores, comerciantes, mas também consumidores da Europa, O intuito é elaborar, juntos, critérios para uma produção de soja mais responsável.

Trabalho escravo

"Dizemos a todos que o problema tem graves conseqüências para o ser humano e o meio ambiente. Na Suíça, por exemplo, discutimos com a rede de supermercados Coop Naturaplan, que se comprometeu com uma produção de soja mais sustentável, sem desmatamento de florestas importantes para biodiversidade", afirmou Roscher.

Em abril de 2006, ocorreu um grande encontro em São Paulo entre os grupos de interesse para identificar as principais conseqüências da desflorestação. Todos reconheceram a existência de problemas ambientais mas também de problemas sociais.

"Organizações sociais denunciaram a existência de trabalho escravo na produção de soja, o que foi negado pelos grandes produtores, embora de maneira não muito convincente; então este é mais um problema a solucionar", destaca Roscher.

Recuperar a floresta perdida é uma utopia. "Nossa meta é alertar para que as conseqüências sejam menos graves; para isso elaboramos critérios globais para o desenvolvimento sustentável", precisou Roscher a swissinfo.

"O grande objetivo é frear o desmatamento de alto valor, evitar a erosão e contaminação da água e - fator muito importante para o WWF- evitar a perda irreversível da biodiversidade, não somente no Paraguai mas também no Brasil, Argentina e Bolívia, os maiores produtores de soja da América do Sul".

Produzir soja mas de maneira responsável

Os critérios de responsabilidade incluem o meio ambiente mas também aspectos sociais, onde há graves problemas de pobreza e migração de pequenos agricultores para as cidades. Além disso, abrangem o aspecto econômico na produção de soja.

Tudo tem que ser responsável, afirma Roscher, reconhecendo que a produção biológica de soja no Paraguai é muito pequena. "O certo é que a produção convencional também seja responsável e, para isso, não precisa ser obrigatoriamente biológica. Por isso, um dos objetivos é reduzir o uso de pesticidas e herbicidas".

Mas isso é possível em uma agricultura em que o uso de pesticidas é arraigado, especialmente nas monoculturas?. "Por enquanto não é realista tentar eliminar os pesticidas mas reduzi-los paulatinamente. Por isso produtores de pesticidas como Syngenta participam das discussões", responde Roscher.

É preciso uma mudança de mentalidade para conter o desflorestamento, afirma a representante do WWF suíço. No entanto, as opiniões divergem quando se discute onde deve ocorrer a mudança: no Paraguai produtor e pobre ou na Europa rica, que produz pesticidas e demanda grandes quantidades de soja.

'Christine e a floresta'

Este documentário de Beat Wieser mostra a luta do casal suíço Christine e Hans Hostettler, junto com o WWF, para evitar a destruição da floresta tropical do Paraguai.

Os Hostettler, originários de Rüschegg, no cantão de Berna, emigraram em 1978 para o Paraguai. Como outros colonos de diferentes países, começaram a desmatar e plantaram 100 hectares de soja.

Em certo momento, ocorre com o casal de suíços essa 'mudança de mentaliadade'. Da produção convencional de soja passaram para a produção biológica e os desmatadores converteram-se em protetores da floresta. Hoje recebem apoio logístico e financeiro dos Estados Unidos, Canadá, Alemanha e Suíça.

O documentário concentra-se na luta de Christine e 'seu paraíso ameaçado', nas conseqüências ambientais da desflorestação.

So indiretamente aborda o problema social: famílias guaranis sem terra que migraram para as grandes cidades ou acusados de desmatar 'ilegalmente' as florestas em que viveram gerações de seus antepassados em harmonia com a natureza.

swissinfo, Rosa Amelia Fierro

Breves

- Os Hostettler fundaram a organização Procosara (Pelas florestas de São Rafael) para proteger as matas da região. Empregam seis guardas florestais.

- O desmatamento no Paraguay foi legal durante muito tempo.

- A campanha do WWF 'Sem floresta no há vida' levou a uma mudança: em dezembro de 2004 o Parlamento do Paraguai aprovou a 'Lei de desflorestamento zero', vigente desde o ano passado.

- Com essa proibição, o desmatamento diminuiu 85% em seis meses.

- Em agosto de 2005, proprietários de terras, empresas agrárias e o governo, junto com o WWF, fizeam um 'pacto social' de proteção das florestas.

- Graças a este 'pacto social', em dezembro de 2006 a 'lei de desflorestamento foi prolongada até 2008.

End of insertion

Fatos

Mais de 90% da superfície da floresta da región de São Rafael- cerca de 70 mil hectares - foram transformadas em cultivo de soja.
Com conseqüências catastróficas: períodos de seca cada vez mais freqüentes e redução das colheitas.
O documentário de Beat Wieser se concentra na desflorestação das matas de São Rafael, onde vivem animais como a jaguatirica, veados, quatis e macacos.
90 % de todos los anfíbios e a metade de todas las plantas da Mata Atlântica são endêmicas, ou seja, são encontradas somente nessa região do planeta.
Dia 29 de março ALAS apresentará 'Te doy mis ojos', un filme sobre os direitos humanos.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?