Pandemia afasta suíços de museus e espetáculos

Uma apresentação da ópera "Sol e Mar", dos artistas lituanos Rugile Barzdziukaite, Vaiva Grainyte e Lina Lapelyte, no "Zuercher Theater Spektakel" em Zurique, em 13 de agosto de 2020. Keystone / Ennio Leanza

Cerca de um em cada três suíços dizem que não irão ao cinema ou a um museu até que a pandemia de Covid-19 esteja completamente terminada.

Este conteúdo foi publicado em 22. setembro 2020 - 08:00
swissinfo.ch/fh

A população se tornou "mais reticente" em participar de atividades culturais desde junho, revelou uma pesquisa realizada para a Secretaria Federal de Cultura.

No final de agosto, 42% das 1.000 pessoas que participaram da pesquisa disseram que só começariam a ir a eventos ou atividades relacionadas à cultura em 2021; em junho, este número era de 22%.

O percentual varia de acordo com a atividade: cerca de 43% disseram que não estavam preparados para assistir a um concerto ou espetáculo em um teatro, ópera ou circo. Enquanto isso, 36% disseram que não iriam a um museu ou exposição, e 64% disseram que evitariam festivais. 

Apoio financeiro

O setor cultural na Suíça tem lutado em meio à pandemia. O governo aprovou um pacote financeiro no valor de CHF 280 milhões (US$ 306 milhões) para ajudar as empresas e instituições a lidar com o impacto da pandemia do coronavírus na Suíça. No entanto, cerca de 65% dos entrevistados na pesquisa achavam que o setor cultural deveria receber mais apoio financeiro.

Enquanto isso, o número de novos casos positivos continua crescendo, com uma contagem média de 65 casos por 100.000 residentes nas últimas duas semanas. O número diário de novas infecções em todo o país, com base em uma média de sete dias, é de 422. Isto representa um aumento de 14% em relação à semana anterior. Vaud, Zurique, Genebra, Friburgo, Berna e Argóvia são os cantões mais afetados.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo