Navigation

A marcha lenta da Suíça para vacinar toda a população até o verão

Os cantões são responsáveis pela execução da estratégia de vacinação e têm o poder de decidir se as pessoas podem ser vacinadas em grandes centros de vacinação ou em consultórios médicos individuais. Keystone / Martial Trezzini

Depois de um início lento, a campanha de vacinação contra a Covid-19 na Suíça está ganhando força, com o objetivo de vacinar quem quiser até o verão. Mas sua estratégia altamente descentralizada acarreta vários desafios extras.

Este conteúdo foi publicado em 29. janeiro 2021 - 09:00
Jessica Davis Plüss (texto), Pauline Turuban (texto e gráficos), Julie Hunt

O filho de Susanne Kuratli acertou seu alarme para as 2 da manhã de sexta-feira, 8 de janeiro - o primeiro dia em que as pessoas poderiam se inscrever para serem vacinadas no cantão de Berna. Depois de preencher todas as informações necessárias sobre a idade de sua mãe, seguro e condições de saúde na página de registro on-line, os espaços para consultas começaram a aparecer e a desaparecer mais rápido do que ele podia digitar.

Ele clicou em aceitar o mais rápido possível, garantindo uma consulta para sua mãe de 80 anos dois dias após a abertura do primeiro centro de vacinação de Berna, em 11 de janeiro.

"Eu me sinto ótimo. Já tenho a vacinação marcada e me sinto um pouco mais seguro", disse Kuratli à swissinfo.ch. "Eu queria obter a vacina o mais rápido possível para proteger não só a mim mas também aos outros". Pensei que se eu pudesse liberar uma cama de hospital para alguém, eu deveria fazer isso".

O processo não tem corrido tão bem para todo mundo. As primeiras semanas da campanha de vacinação foram marcadas por linhas telefônicas congestionadas, falhas técnicas e um público frustrado se perguntando porque algumas partes do país estavam começando mais rápido do que outras.

Um mês após a primeira vacinação Covid-19 na Suíça, ainda não há um quadro completo do número de pessoas que foram vacinadas em todo o país. Os números iniciais mostram que cerca de 110.000 doses foram administradas até 18 de janeiro (1,27% da população). Até o final do mês, o governo pretende atingir 4% da população, o que é menos do que Israel, os Emirados Árabes Unidos e o Reino Unido já conseguiram inocular.

Conteúdo externo

As autoridades federais asseguraram a um público impaciente que estão no caminho certo para vacinar toda a população disposta (número estimado de 6 milhões de pessoas) até o final de junho. A campanha recebeu um impulso na semana passada quando o regulador de medicamentos suíço Swissmedic autorizou a vacina Moderna - a segunda depois da Pfizer/BioNtech.

O país enfrenta agora a assustadora tarefa de corrigir os problemas existentes enquanto aumenta massivamente a vacinação. À medida que o país se encaminha para um lockdown parcial sob a ameaça de uma nova cepa, a tarefa é ainda mais urgente.

Cambaleante e lento

A Suíça deu sinal verde para a vacina Pfizer/BioNtech em 19 de dezembro, algumas semanas antes de ter planejado lançar a campanha oficial de vacinação. O acordo com a Pfizer só foi concluído menos de duas semanas antes, mas isto ainda foi um mês após o acordo de Israel com a empresa, e por menos da metade do número de doses.

A autorização foi uma boa notícia para os suíços, mas o aviso tardio surpreendeu alguns cantões e levou a uma corrida louca para dar início à vacinação, porém com sistemas e infra-estrutura de TI menos que perfeitos, de acordo com uma pessoa envolvida na organização de uma campanha de vacinação cantonal. "Estávamos planejando começar em janeiro, mas quando outros cantões começaram a vacinar em dezembro, enfrentamos muita pressão das autoridades cantonais para fazê-lo também", disse a pessoa que deseja permanecer anônima.

A primeira remessa da Pfizer incluía 234.000 doses - suficientes para vacinar cerca de 115.000 pessoas.

Distribuídas em 26 cantões com base na população, isso significou que até 13 de janeiro, o Appenzell Innerrhoden, o menor cantão da Suíça, recebeu 400 doses, enquanto que o cantão de Lucerna teve 10.000 e o de Vaud mais de 19.000, conforme confirmado à swissinfo.ch pelos próprios cantões.

As doses iniciais da Pfizer eram as únicas disponíveis até a semana passada, quando chegaram cerca de 200.000 doses da Moderna. Outras 126.750 doses da vacina Pfizer deveriam chegar em 18 de janeiro, mas um gargalo de produção relatado na sexta-feira resultou na chegada de apenas cerca da metade. No final de fevereiro, o governo disse que um total de 1,5 milhões de doses deverá estar disponível, cobrindo quase 11% da população adulta.

Como informamos em dezembro, o lançamento de vacinas para as massas poderia levar meses, se não anos, como resultado da limitada capacidade de fabricação. As 15,8 milhões de doses encomendadas pelo governo suíço a três fabricantes (o terceiro é a AstraZeneca) serão entregues quando estiverem prontas, às vezes com pouca antecedência, dificultando o planejamento dos cantões.

Vários cantões contatados pela swissinfo.ch antes de 13 de janeiro disseram saber apenas o número de doses que o governo prometeu entregar a eles até o final de fevereiro, mas não sabem exatamente quando elas serão entregues ou o número de doses em cada remessa.

A maioria deles enfatizou que muitos fatores estavam fora de seu controle. "Como e quando o registro para vacinação pode ser aberto para cada grupo alvo depende de vários fatores, tais como a quantidade e o tipo de doses e substâncias disponíveis, a vontade da população de ser vacinada ou a propagação do coronavírus", resumiu um porta-voz do cantão Thurgau.

Em contraste com Israel, que também tem uma população de cerca de 8 milhões de habitantes, a implantação da Suíça é altamente descentralizada. O governo federal assegura e entrega as doses e define a estratégia geral de vacinação, mas os 26 cantões são responsáveis pela sua execução.

A Dinamarca, os Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Israel alcançaram taxas de vacinação mais altas do que a Suíça, com abordagens mais centralizadas. Cerca de 29% da população em Israel recebeu pelo menos uma primeira dose da vacina - muito mais do que em qualquer outro país.

Mantendo o fluxo

Para que uma estratégia altamente descentralizada como a da Suíça funcione, tem que haver um bom fluxo de informações nos dois sentidos, disse Prashant Yadav, especialista em saúde pública e cadeia de abastecimento do Centro de Desenvolvimento Global, à swissinfo.ch. O governo avisa antecipadamente os cantões quando uma remessa chega, mas espera-se que os cantões informem quantas doses foram utilizadas.

Yadav argumenta que a espinha dorsal desse fluxo de informações é um forte sistema de TI - algo que está faltando na Suíça de acordo com fontes e reportagens da mídia. O público é aconselhado a visitar seu website cantonal para fazer uma consulta, mas o contato com o sistema pode se dar de qualquer forma, desde uma linha telefônica como no cantão sul do Ticino até um questionário online totalmente digitalizado e um sistema de consultas em Berna e Genebra.

O sistema usado no cantão de Zurique pifou em apenas algumas horas depois que milhares de pessoas tentaram marcar uma consulta. Os agendamentos para janeiro estão agora totalmente preenchidos e não se espera que o sistema esteja de volta on-line para aceitar novos atendimentos até o final do mês.

Em uma entrevista no jornal em língua alemã Neue Zürcher ZeitungLink externo em 5 de janeiro, Sang-Il Kim, que chefia a transformação digital no departamento federal de saúde, disse que o governo está testando o sistema online OneDoc para registros, agendamento de compromissos e gerenciamento de dados de vacinação para todos os cantões, mas tem havido atrasos.  Quatro cantões solicitaram seu próprio sistema, complicando o processo, admitiu ele.

Em contraste, os registros médicos digitais de Israel são centralizados e utilizados para identificar as pessoas elegíveis para a vacina, que então recebem uma mensagem de texto com um link para fazer uma consulta através de um aplicativo. Todos na Dinamarca têm um número de informação pessoal digital que ajuda o governo a identificar as pessoas elegíveis e mapear as prioridades de vacinação.

Mas a Covid-19 requer mais do que um sistema de TI, disse Yadav. "É mais sobre ter uma cultura de confiança e responsabilidade" em que as informações serão rastreadas, relatadas e usadas de forma consistente e apropriada.

Isto é complicado pelo fato de que a Suíça não possui um registro nacional de vacinação digital em que se possa confiar, ao contrário de muitos países, como a Holanda. O governo incentiva as pessoas a se autodeclararem em um certificado eletrônico de vacinação (meinimpfung.ch), mas isto é em grande parte para uso pessoal, não para monitoramento nacional. As estimativas de cobertura vacinal baseiam-se em pesquisas regulares Link externoconduzidas pela Universidade de Zurique com os cantões.  

Alvo móvel

Independentemente do que foi negociado com os fornecedores, o fornecimento de vacinas está chegando lentamente, não apenas na Suíça, o que dificulta a adequação entre a oferta e a demanda.

"Originalmente, os países disseram que precisamos fazer isto sequencialmente, o que significa vacinar todos de um determinado grupo seguido pelo grupo seguinte. E funciona sequencialmente se você souber que a demanda é clara, mas o que os países estão percebendo é que nem todos na fase 1 a querem". Então você tem um excedente", disse Yadav.

Ele argumentou que a implementação simultânea é possível, como vem acontecendo em alguns estados dos EUA.

Mas a Suíça continua cautelosa quanto à abertura das comportas para pessoas fora dos grupos de alto risco (com 75 anos ou mais) até que se tenha uma visão mais clara dos suprimentos. O cantão do Ticino restringiu ainda mais as primeiras doses àqueles a partir dos 85 anos de idade.

A estratégia descentralizada também está permitindo que alguns cantões divirjam das recomendações nacionais. O cantão de Vaud acaba de anunciar que não permitirá que as pessoas que tiveram uma infecção por coronavírus recebam uma vacina agora mesmo, o que vai contra as recomendações federais.

O Departamento Federal de Saúde também não especificou quando o público em geral poderia receber a vacina, mas o cantão de Lucerna já publicou um cronograma projetando a vacinação da população em geralLink externo para junho.

Conteúdo externo

"Não creio que haja uma resposta correta sobre quem deve ser vacinado primeiro", disse Daniel Chulwoo Rhee do Instituto Internacional de Vacinas da Coréia do Sul à swissinfo.ch. Uma vez que as vacinas são refrigeradas, elas devem ser administradas o mais rápido possível. Se o governo se desviar de seus grupos prioritários, tem que ficar claro o motivo pelo qual tomou a decisão".

Cantões contatados pela swissinfo.ch disseram que estão vacinando outros grupos para evitar o desperdício de qualquer dose. Michel Hassler, diretor de comunicação do Departamento de Saúde do cantão de Aargau (Argóvia), disse que em seu cantão as sobras de doses de vacinas são usadas para vacinar o pessoal em unidades de tratamento intensivo à noite. O cantão de Zug também declarou que vacinará os funcionários de saúde se as doses sobrarem.

E os suíços no estrangeiro?

O Ministério das Relações Exteriores informou à swissinfo.ch que "por razões logísticas, as vacinas que são utilizadas na Suíça não podem ser enviadas à rede externa. Portanto, não há entregas de vacinas planejadas pelo Ministério das Relações Exteriores".

Se os suíços no exterior quiserem ser vacinados na Suíça, eles podem, mas terão que pagar do próprio bolso se não tiverem um seguro de saúde suíço, diz o Departamento Federal de Saúde.

End of insertion

Equilibrando a balança

A descentralização tem suas vantagens: ela permite que os cantões decidam como melhor utilizar seus recursos para alcançar as pessoas.

Muitos estão transformando os centros de testes de Covid-19 construídos em estádios ou armazéns esportivos vazios em centros de vacinação com capacidade de fornecer, em alguns casos, até várias milhares (em Berna, por exemplo) de doses por dia. O cantão de Vaud tem seis centros de vacinação - todos localizados em hospitais.

Alguns têm se concentrado exclusivamente em lares ou casas de repouso, utilizando equipes móveis que vão diretamente a eles. Em Lucerna, cerca de 90% dos residentes de lares (cerca de 4.200) haviam sido vacinados até 15 de janeiro.

Monique Lehky Hagen, que faz parte da sociedade médica do cantão do Valais, disse à televisão pública suíça RTS que a estratégia em seu cantão de concentrar a vacinação em consultórios médicos permite que se utilize com mais precisão os suprimentos limitados, e ainda ajuda a convencer os pacientes a se vacinarem.

Enquanto o exército suíço protege e entrega as doses de vacinas, armazenadas em freezers em local não revelado, os cantões também podem chamar o corpo de proteção civil para apoiar suas campanhas com tarefas como organizar consultas em lares de idosos ou onde for necessário. Os cantões de St. Gallen, Basileia e Appenzell Ausserrhoden optaram por contratar a empresa de logística farmacêutica Galliker para transportar vacinas a temperaturas ultra-frias.

O Ministro da Saúde Alain Berset está considerando a redistribuição de vacinas de cantões de baixo desempenho para outros com maior desempenho, na esperança de incentivar uma implantação mais rápida. Alguns médicos cantonais expressaram apoio a uma gestão ou distribuição mais "dinâmica" das doses de vacinas, em vez de se basear puramente na população. 

A confiança também é uma questão a ser levada em consideração. O governo federal tem que encontrar um equilíbrio entre o desejo de agir rapidamente e a necessidade de mobilizar a população. Embora haja um senso de urgência para lançar as vacinas, a percepção de que as autoridades queimem etapas para acelerar o processo pode corroer a confiança do público.

"Podem surgir questões de segurança, e essa mensagem tem que vir do governo federal para garantir que não haja nenhum erro de comunicação", disse Daniel Chulwoo Rhee do Instituto Internacional de Vacinas.

Conteúdo externo

A última pesquisa realizada pela SRG, empresa matriz da swissinfo.ch, mostra que 41% da população está disposta a ser vacinada imediatamente, em comparação com apenas 16% em outubro. Isso ainda é bastante inferior aos números em países semelhantes, como por exemplo a Dinamarca. Uma pesquisaLink externo revelou que 79% dos dinamarqueses estavam dispostos a receber a vacina contra o coronavírus.

Embora seu lançamento não tenha sido tão rápido ou tão suave quanto alguns esperariam, a Suíça ainda faz parte de um grupo seleto de cerca de 40 países ricos que já receberam uma quantidade razoável de doses.

"É um privilégio receber a vacina. Esta é uma oportunidade para nós, pessoas mais velhas. Estou muito orgulhosa de poder ser um exemplo para os outros", disse Susanne Kuratli.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.