Navigation

Roche ganha "Oscar da Vergonha" em Davos

Public Eye Award: prêmio nada cobiçado. Keystone

O grupo farmacêutico suíço Roche e o Royal Bank of Canada receberam nesta quinta-feira o prêmio Public Eye Awards 2010, atribuído pelas ONGs Declaração de Berna e Greenpeace às empresas com o pior comportamento social e ecológico.

Este conteúdo foi publicado em 27. janeiro 2010 - 15:46

No 11° Public Eye, realizado em paralelo ao Fórum Econômico Mundial, foi concedido pela primeira vez o "Greenwash Award", dado ao projeto Mandato da Água.

As três instituições são acusadas de lidar de forma irresponsável com seres humanos e o meio ambiente. Isso mostra o lado sombrio de um ultraliberalismo desenfreado, movido pela ideia do lucro, disseram os organizadores.

Além da Roche, foram indicados ao prêmio de pior companhia ou entidade suíça o Comitê Olímpico Internacional (COI), acusado de aprovar os Jogos Olímpicos de Vancouver sem o consentimento das populações autóctones, e a empresa de comunicação Farner PR, que teria espionado para a indústria armamentista durante a campanha pela proibição da exportação de armas.

A Roche foi escolhida tanto pelo júri oficial, que lhe deu o chamado "Prêmio Suíço", como pelo público, que lhe concedeu o prêmio popular - 20 mil pessoas votaram através de internet.

Ela foi criticada por estudos realizados na China sem supostamente conhecer a procedência dos órgãos doados. Segundo os organizadores do Public Eye, 90% dos órgãos transplantados na China procedem de presos executados.

Estratégia de maketing?

A Roche realiza desde 2008 dois estudos sobre o medicamento CellCept durch e diversas clínicas chinesas. CellCept é usado em transplantes para evitar a rejeição dos órgãos. "O medicamento está no mercado há anos. Questiona-se por que ele agora precisa ser testado nos chineses“, disse Arne Schwarz, da Declaração de Berna, à swissinfo.ch.

Schwarz investigou o "caso Roche" para a Declaração de Berna. Ele suspeita que os estudos são feitos por razões de marketing, para tornar o produto mais conhecido junto aos especialistas chineses em transplantes.

Não havia representante da Roche presente no Public Eye, em Davos, para receber o prêmio. Em resposta à nomeação, a empresa informou que não é responsável pela origem dos órgãos, que é seu direito não ter essa informação e que ela respeita a legislação chinesa.

O "petróleo mais sujo do mundo"

O prêmio global ficou com o Royal Bank of Canada, acusado de financiar a exploração do “petróleo mais sujo do mundo”, na província de Alberta, numa área maior do que a Suíça e a Áustria juntas, usando areia queimada, com graves consequências sociais e ecológicas.

Os finalistas do prêmio internacional foram a siderúrgica indiana Arcelor Mittal, acusada de explorar a mina mais poluente da África do Sul, e o grupo energético francês GDF Suez, por seu envolvimento na construção da usina hidrelétrica de Jirau no rio Madeira, em Rondônia, causando o deslocamento de milhares de residentes autóctones.

O projeto Mandato de Água, incluído no programa de responsabilidade corporativa da ONU, Global Compact, foi “agraciado” na categoria de entidades que se autodenominam "verdes", mas na realidade não o são.

O Public Eye reprova a inclusão de empresas como Nestlé e Coca-Cola, "que, sob o logotipo da ONU, prometem combater a crise da água, mas em vez disso continuam com sua política de privatização de água", disse Richard Girard, do instituto canadense Polaris.

swissinfo.ch com agências

Roche em Cingapura

A Roche anunciou que vai investir cerca de 100 milhões de francos para formar uma aliança estratégica com instituições científicas e médicas de Cingapura.

A Parceria Público-Privada (PPP) pretende construir um centro de pesquisa transnacional, que inicialmente empregará cerca de 30 renomados cientistas.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?