Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Achado arqueológico Em face ao passado romano da Suíça

Conheça Adelasius Ebalchus. Ele viveu no que é hoje o norte da Suíça há cerca de 1.300 anos, alguns séculos após a queda do Império Romano. Quem era ele e o que nos pode dizer sobre a vida durante a Idade Média?

Adelasius Ebalchus

Adelasius Ebalchus, reconstruído pelo sueco Oscar Nilsson

(Oscar Nilsson)

"Adelasius era um jovem de cerca de 20 anos, que viveu por volta de 700 d.C.", explica Angela Kummer, diretora do Museu Histórico-Cultural de Grenchen, onde os seus ossos e uma reconstrução do seu rosto estão expostos até 9 de junho. 

"Era descendente da população galo-romana que vivia na região quando as tribos germânicas entraram no planalto central suíço no século VII. Sabemos muito pouco sobre esta época. Não existem fontes escritas - as pessoas não escreveram nada - por isso temos que ler o que pudermos nos cemitérios, nos esqueletos e nos restos mortais dos cemitérios".

Seu túmulo intacto, forrado e coberto de pedras, era um dos 47 que foram descobertos em 2014 na cidade de Grenchen, no cantão de Solothurn. 

grenchen map

Grenchen map

“Como ele foi enterrado em um túmulo caro e murado, ele provavelmente pertencia às classes mais ricas”, diz Kummer. "Ele também tem um excelente conjunto de dentes! Naquela época, as pessoas frequentemente comiam grãos duros - o mingau era um alimento básico - mas a moagem não era tão boa, por isso era bastante duro e acabava com os dentes de trás de muitas pessoas. Os dentes de Adelasius são muito saudáveis - sem placa ou dentes podres ou em putrefação - e estão bem posicionados, embora também estejam levemente desgastados pelos grãos.”

Além disso, ele tinha 173 cm, o que era relativamente alto na época, diz Kummer. “Esse é outro indício de que ele teve uma boa infância, com comida suficiente para o seu desenvolvimento. É emocionante o que você pode ver apenas nos ossos!”

Reconstrução Facial

Dito isso, ele ainda morreu com cerca de 20 anos, numa época em que a expectativa de vida era de 30 a 40 anos. Mas ele provavelmente não chegou a ter um final violento; em vez disso, uma infecção crônica, talvez desencadeada por uma inflamação pulmonar, poderia ter provocado sua morte, diz Kummer.

“Vários traços de infecção foram encontrados em seus ossos, a doença durou muito tempo e levou a sintomas de deficiência. Mas ele provavelmente morreu de uma dessas explicações e não em uma batalha ou algo assim.”

Cerca de 1.300 anos depois, o reconstrutor facial arqueológico sueco Oscar NilssonLink externo foi contratado para reconstruir o rosto de Adelasius.

"Muitas pessoas acham que ele deve parecer quase com um neandertal e pensam em alguém com barba e cabelo comprido e desleixado", diz Kummer. “Oscar Nilsson o ‘barbeou’, para que você possa ver as maçãs do rosto dele e a fenda no queixo - e você pode ver isso quando olha para o crânio dele. Ele não se destacaria andando pela rua hoje! Embora as barbas estejam de volta!”

Skull of Adelasius Ebalchus

O crânio de Adelasius. Uma versão impressa em 3D foi enviada para o reconstrutor facial Oscar Nilsson na Suécia

(Kantonsarchäologie Solothurn)

Surpresa agradável

Mirjam Wullschleger é a responsável do projeto e membro da equipe de arqueologia cantonal que deu a Adelasius seu nome distintamente latino.

Ela diz que numa época em que as tribos germânicas, os alamanos, estavam entrando lentamente no planalto central suíço, Adelasius era "um local, um romano".

Adelasius em seu lugar de descanso final

(Kantonsarchäologie Solothurn)

“As sepulturas aqui em Grenchen são típicas da área dos romanos, a população antiga que vivia aqui”, diz ela, explicando que, na verdade, durante a época mesmo dos romanos, nenhum romano chegou à região de Grenchen - os habitantes eram de fato um povo celta autóctone que havia assimilado o modo de vida romano.

"Adelasius falava muito provavelmente um dialeto latino que era falado aqui na época dos romanos."

Wullschleger admite que ficou surpresa com a quantidade e a qualidade das sepulturas encontradas no antigo cemitério medieval que desde então foi coberto por um bloco de apartamentos.

“Sabíamos que havia sepulturas enterradas lá, porque historiadores chegaram a visitar o local no século XIX procurando por essas sepulturas - e encontraram pelo menos 90 -, mas em 2014 não sabíamos quantas estavam neste terreno. Eu pensei que quase todas as sepulturas já haviam sido escavadas, mas ficamos positivamente surpresos quando encontramos muitas sepulturas intactas e bem conservadas.”

Então, por que Grenchen é um lugar especial para encontrar esqueletos medievais? “Acho que, acima de tudo, é devido à localização - o sopé sul das montanhas do Jura fica em um importante eixo de tráfego. Também o solo aqui é muito fértil. Estes terraços elevados voltados para o sul sempre foram de interesse para as pessoas. Então, simplesmente encontramos esses restos onde as pessoas viviam”.

Os restos de Adelasius e a reconstrução de seu rosto ficarão em exposição permanente no outono na nova House of MuseumsLink externo, na vizinha Olten.

"É muito importante que o que encontramos durante as escavações não desapareça em nossos porões ou arquivos, mas seja exibido ao público", diz Wullschleger.



Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.