Navigation

'Espero que Trump ganhe', diz Bolsonaro

(ARQUIVO) Nesta foto de arquivo tirada em 06 de maio de 2019, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro (R) e seu filho Flavio participam de uma cerimônia pelos 130 anos da Escola Militar do Rio de Janeiro (CMRJ) afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. novembro 2020 - 17:40
(AFP)

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira (4) que espera que o colega americano, Donald Trump, seja reeleito nos Estados Unidos, enquanto a contagem de votos na acirrada disputa pela Casa Branca avançava.

"Vocês sabem a minha posição, é clara, isso não é interferência, tenho uma boa política com Trump, espero que ele seja reeleito", disse o presidente em frente à sua residência oficial em Brasília, enquanto conversava com apoiadores.

Bolsonaro, que fez de seu alinhamento com Washington um pilar de sua diplomacia, foi apelidado de "Trump dos trópicos" e não esconde sua admiração por seu homólogo americano.

Questionado sobre aqueles que consideram que seu apoio aberto à reeleição de Trump constitui ingerência na política internacional, o líder brasileiro respondeu ironicamente:

"A minha interferência você quer como? Econômica, militar, bélica ou cibernética?", brincou com seus apoiadores.

Ao seu lado, seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro, criticou o Twitter por remover uma publicação de Trump na qual acusava seus rivais democratas de tentar "roubar" as eleições para evitar sua reeleição. A rede social alegou que a mensagem era potencialmente "enganosa".

"Trump fez um tweet suspeitando de fraude na eleição dos EUA. O Twitter deletou o tweet. Este tipo de tweet viola as políticas do Twitter? Qual ameaça este tipo de tweet traz? Censura?", disse o congressista.

Em seu fala, o presidente também criticou o candidato do Partido Democrata, Joe Biden, que está concorrendo à presidência contra Trump, por pedir ao Brasil a preservação da floresta amazônica.

"O candidato democrata em duas oportunidades falou sobre a Amazônia. É isso que vocês querem para o Brasil? Aí sim é uma interferência de fora para dentro", disse.

A Amazônia se tornou uma questão delicada para Bolsonaro desde que Biden afirmou em seu primeiro debate contra Trump em setembro que planejava arrecadar fundos da comunidade internacional e oferecer ao Brasil vinte bilhões de dólares para "parar a destruição da selva".

"Se não o fizerem (parar o desmatamento), enfrentarão consequências econômicas significativas", disse Biden durante a reunião.

Bolsonaro, fortemente criticado dentro e fora do Brasil pela explosão das taxas de desmatamento e incêndios florestais desde o início de seu mandato em 2019, descreveu a declaração como "desastrosa e desnecessária".

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.