Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Jogadores alemães celebram com o público a caminho do Portão de Brandemburgo

(afp_tickers)

Milhares de pessoas vibraram nesta terça-feira, em Berlim, ao receberem os heróis da seleção da Alemanha, que retornou do Brasil com o quarto título mundial do país.

Mais de 250.000 pessoas em verdadeiro delírio aguardavam desde o início da manhã diante do simbólico Portão de Brandemburgo, no coração de Berlim, a chegada dos jogadores e do técnico Joachim Low.

O treinador compartilhou o troféu com os milhares de torcedores que se reuniram em Berlim para receber a equipe ao declarar que "todos somos campeões do mundo".

"Devo agradecer a todos os torcedores na Alemanha. Sem vocês não estaríamos aqui. Todos somos campeões do mundo", afirmou Löw no palco montado diante do Portão de Brandemburgo.

O capitão da seleção alemã, Philipp Lahm, exibiu a taça da Copa do Mundo para a multidão.

"Desde que era criança eu sonhava com isto", declarou Lahm.

"Que ambiente este aqui. Muito obrigado a cada um de vocês", completou o lateral direito.

A multidão compareceu ao local para homenagear os atletas e a comissão técnica, que conquistaram o quarto título mundial do país (1954, 1974, 1990 e 2014).

Vestidos com uma camisa com um grande número 1 na parte da frente, os jogadores da "Nationalmannschaft" entraram no palco de 30 metros de comprimento diante do Portão de Brandemburgo.

Bastian Schweinsteiger apareceu enrolado em uma bandeira alemã, disse algumas palavras e depois começaram a entrar os outros jogadores, até a chegada do capitão Philipp Lahm com o troféu.

Os jogadores também homenagearam Miroslav Klose, que aos 36 anos se tornou o maior artilheiro da história das Copas (16 goles).

"Miro Klose, Miro Klose", cantaram para o público, antes de várias brincadeiras no palco.

"Isto é genial, é um momento incrível", disse Lukas Podolski.

"Estamos muito orgulhosos do que fizemos. Finalmente vencemos. Estamos orgulhosos dos torcedores", disse o zagueiro Peer Metersacker.

Um dos mais aplaudidos foi Mario Gotze, autor do gol do título da Mannschaft no domingo, no Maracanã, contra a Argentina (1-0 na prorrogação).

"É um sonho", disse o jogador de 22 anos.

"Jogamos um torneio impressionante. Tenho um sentimento incrível", afirmou o novo astro da Mannschaft.

"Bom dia, Berlim, estou orgulhoso de ser berlinense", disse o zagueiro Jérôme Boateng, que cresceu na capital alemã e optou por jogar pela Mannschaft, enquanto seu irmão Kevin-Prince atua por Gana, país do pai dos atletas.

Os jogadores terminaram a cerimônia com um abraço diante da torcida, para simbolizar a união do time com a torcida.

Um pouco antes distribuíram pequenas bolas autografadas para os torcedores.

"Assim vence a Alemanha, assim vence a Alemanha", gritaram torcedores e jogadores.

Diante dos torcedores eufóricos, os atletas alemães ensaiaram um pouco da dança dos índios pataxós e também exibiram uma faixa com a frase "Obrigado Fans" (em português, mais uma homenagem ao país anfitrião da Copa) e outra que dizia "o quarto título é de vocês".

Festa já no desembarque

O avião com os jogadores alemães pousou pouco antes das 10H10 (5H10 de Brasília) em Berlim.

No aeroporto de Tegel, centenas de pessoas gritaram quando o Boeing 747 da companhia alemã Lufthansa pousou na pista.

Os jogadores são considerados verdadeiros "heróis", pois conquistaram o primeiro título mundial para a Alemanha desde a reunificação do país em 1990.

O capitão Philipp Lahm, com o troféu na mão, foi o primeiro a descer do avião, seguido pelos companheiros de time e o técnico Joachim Löw.

Com camisas, bandeiras e bonés com as cores do país (amarelo, preto e vermelho), os torcedores aguardaram com paciência a passagem dos jogadores.

Bernd Hesse, motorista de ônibus de 34 anos, não escondeu a emoção.

"É um fato histórico. A última Copa do Mundo conquistada pela Alemanha havia acontecido em 1990. Você não tem a chance de ver isto todos os dias", disse à AFP.

"Durante quatro semanas, os jogadores me fizeram vibrar. Esta é minha forma de agradecer", contou Lydia Lampa, de 28 anos, que trabalha em uma agência de publicidade de Berlim.

AFP