Navigation

Comandantes militares declaram 'apoio irrestrito' a Maduro

O ministro venezuelano da Defesa, Vladimir Padrino, em entrevista coletiva no dia 8 de janeiro de 2019, em Caracas. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 09. janeiro 2019 - 00:33
(AFP)

O alto comando da Força Armada venezuelana reafirmou nesta terça-feira seu apoio ao presidente Nicolás Maduro, nas vésperas de sua posse para um segundo mandato, não reconhecido pelo Parlamento e por grande parte da comunidade internacional.

A Força Armada manifesta "irrestrito apoio e lealdade absoluta ao cidadão Nicolás Maduro como presidente constitucional" e "comandante para o período 2019-2025", declarou o ministro da Defesa, general Vladimir Padrino, acompanhado da cúpula militar.

Maduro será empossado pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), e não pelo Legislativo, controlado pela oposição e que ignora sua reeleição.

Maikel Moreno, presidente do TSJ, convocou Maduro para a posse às 10H00 local (12H00 Brasília) desta quinta-feira.

O Parlamento, que qualificou Maduro de "usurpador" no sábado passado, começou nesta terça-feira a debater fórmulas para promover a "transição política" na Venezuela.

Padrino manifestou sua "profunda indignação e rejeição categórica" à declaração do Grupo de Lima, que com o apoio dos Estados Unidos pediu - na sexta-feira passada - que o líder venezuelano entregasse o poder à Assembleia Nacional, controlada pela oposição.

Nesta terça-feira, a Assembleia Constituinte, integrada por representantes do chavismo, decretou que os opositores que apoiaram a declaração do Grupo de Lima serão investigados por traição à pátria.

Ordenamos uma "investigação imediata por traição à pátria sobre todos que aderiram à declaração do mal do chamado Grupo de Lima", disse o presidente da Constituinte, Diosdado Cabello.

A declaração do Grupo de Lima incluiu um ponto que rejeita "qualquer provocação ou movimentação militar que ameace a paz e a região", e pede a Maduro que desista de "ações que violem os direitos soberanos de seus vizinhos".

Em relação a este ponto, Cabello declarou que "a defesa da nossa soberania é uma questão de Estado que está acima de qualquer divergência política ou ideológica".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.