Navigation

EUA autorizam anticorpos sintéticos contra Covid-19

Micrografia eletrônica de partículas do vírus Sars-CoV-2, isoladas de um paciente, capturadas e com cores aprimoradas no Centro de Pesquisa Integrada do Niaid (sigla em inglês) An electron micrograph of SARS-CoV-2 virus particles, isolated from a patient, captured and color-enhanced at the NIAID Integrated Research Facility afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 10. novembro 2020 - 04:01
(AFP)

A agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos (FDA) concedeu nesta segunda-feira autorização temporária para um novo tipo de tratamento contra a Covid-19, anticorpos sintéticos fabricados pela empresa americana Eli Lilly, apenas para pacientes com a forma leve ou moderada da doença.

O tratamento foi desenvolvido especificamente contra o novo coronavírus. Outros, como remdesivir e dexametasona, receberam autorização após terem mostrado certa eficácia contra o patógeno, mas suas moléculas já existiam antes da pandemia e tinham outros usos.

A FDA deu autorização "para o uso emergencial" do novo tratamento, baseando-se nos resultados de um teste clínico realizado com 465 adultos não internados. A Eli Lilly havia solicitado a aprovação da agência reguladora há pouco mais de um mês.

Os anticorpos poderão ser usados apenas em adultos e jovens com mais de 12 anos, que pesem a partir de 40 kg e corram "alto risco de evoluir para a forma grave ou internação".

O tratamento, chamado bamlanivimab, é administrado por meio de uma injeção intravenosa. Esses anticorpos imitam a ação do sistema imunológico após a infecção pelo novo coronavírus, bloqueando a ponta do vírus, que lhe permite aderir às células humanas e penetrá-las.

O tratamento é considerado mais eficaz na fase inicial da doença, quando os anticorpos ainda têm chance de deter o vírus. No teste clínico, apenas 3% dos pacientes com alto risco de desenvolver a forma grave da Covid-19 tiveram que ser internados ou procurar atendimento de emergência após receberem o bamlanivimab, frente a 10% que receberam um placebo.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.