Navigation

Imperial College de Londres e Huawei confirmam parceria

Funcionária da Huawei caminha por corredor na sede da empresa em Shenzhen, província de Guangdong, no sul da China, em 19 de maio de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 19. maio 2020 - 13:21
(AFP)

O Imperial College de Londres e a gigante de telecomunicações Huawei confirmaram nesta terça-feira (19) uma parceria de 5 milhões de libras, que permitirá que o grupo chinês financie um novo centro de tecnologia.

A universidade e o fornecedor de equipamentos de telecomunicações, que já colaboram há quase uma década, ressaltaram em um comunicado conjunto que essa parceria foi estabelecida por cinco anos.

O Imperial College disse à AFP que o valor da parceria era de 5 milhões de libras em benefício da universidade.

A Huawei fornecerá a rede 5G e uma plataforma on-line de inteligência artificial em um campus de Londres do Imperial College para ajudar no trabalho de um centro de tecnologia.

"Estamos muito satisfeitos em fornecer nossas tecnologias e experiências a um parceiro acadêmico para ajudar na inovação", declarou Victor Zhang, vice-presidente da Huawei e chefe do escritório londrino da fabricante de equipamentos.

Por sua parte, Ian Walmsley, reitor do Imperial College, saudou a parceria com a Huawei.

"A experiência da Huawei em tecnologia sem fio ajudará nossos pesquisadores, estudantes e empresas parceiras a liderar a próxima geração de inovações digitais", disse ele.

Essa parceria, revelada pela imprensa britânica no fim de semana, despertou a ira de alguns deputados, principalmente porque o Imperial College é um dos dois "pioneiros" britânicos na busca de uma vacina contra o novo coronavírus.

Parlamentares conservadores já se manifestaram contra a decisão do primeiro-ministro Boris Johnson de permitir a participação limitada da gigante chinesa no desenvolvimento da rede móvel 5G do Reino Unido em meio a temores de espionagem do Estado chinês.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.