Navigation

Peru trabalha em exame para diagnosticar COVID-19 em menos de uma hora

Técnico de laboratório faz teste rápido para a COVID-19 em uma amostra de sangue em unidade do Ministério da Saúde peruano, em Lima, 7 de maio de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 08. maio 2020 - 00:55
(AFP)

O Peru está trabalhando em um exame molecular para diagnosticar a COVID-19 em menos de uma hora, informou nesta quinta-feira (7) o Ministério da Saúde (Minsa).

"O Instituto Nacional de Saúde (INS) criou um exame molecular para o diagnóstico da COVID-19, que dá resultados em menos de uma hora", informou o Minsa em um comunicado.

O biólogo geneticista do INS, Eduardo Juscamayta, criador do exame que está sendo estudado, explicou que este será desenvolvido e validado com o método RT-LAMP, que permite a detecção em alta quantidade de cópias de uma área específica do genoma do vírus.

A pesquisa vai durar três meses e permitirá identificar as infecções por coronavírus de forma visual, exata e rápida em centros de saúde com condições laboratoriais mínimas, explicou Juscamayta.

"Por ser um exame portátil, de fácil uso, não precisa de pessoal altamente especializado e será de muita utilidade para a gestão personalizada de cada paciente", explicou o especialista.

"O exame molecular proposto é rápido, funciona a temperatura constante em comparação com outros exames moleculares, que precisam de várias temperaturas", destacou.

"Possui alta sensibilidade, maior que a de outros métodos moleculares, razão pela qual este exame tem o potencial de diagnosticar não só pacientes com suspeita de COVID-19, mas também pacientes assintomáticos", explicou.

Para desenvolver a pesquisa e detectar de forma específica o vírus será feita a análise comparativa de vários genomas virais do Peru e de outras partes do mundo, segundo o Minsa.

O Peru está sob um regime de confinamento nacional desde 16 de março para conter o avanço do coronavírus, que soma 58.526 casos e mais de 1.627 mortes desde que foi detectado pela primeira vez no país, em 6 de março.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.