Navigation

Presidente eleito do Uruguai anuncia gabinete

(Arquivo) O presidente eleito do Uruguai, Luis Lacalle Pou afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. dezembro 2019 - 16:53
(AFP)

O presidente eleito do Uruguai, Luis Lacalle Pou, apresentou nesta segunda-feira seu futuro gabinete governamental, que assumirá em 1º de março, e prometeu uma administração focada na “ação”.

A equipe de Lacalle Pou, ex-senador do partido de centro-direita Partido Nacional (PN) que tirou do poder a coalização esquerdista Frente Ampla após 15 anos de governo, é composta por integrantes de quase todos os partidos que compõe sua coalizão “multicolorida”.

Vencedor da eleição de novembro passado, esse advogado de 46 anos chega ao poder graças a uma aliança de partidos que vão da direita à esquerda social-democrata, graças à qual alcançou os votos para governar e uma maioria parlamentar.

Lacalle Pou, que negociou por semanas a composição de gabinete com seus parceiros, destacou a “interação de homens e mulheres de diferentes partidos políticos” para alcançar um “governo de ação”.

“Os uruguaios exigem a ação de seus governantes” e essa será uma das “principais condições de nosso governo”, afirmou durante um ato para a imprensa em Montevidéu.

O presidente prometeu o máximo de informações possível aos cidadãos e ratificou que promoverá auditorias nas principais distribuições do Estado, com o objetivo de apresentar um relatório sobre “o estado do país” aos uruguaios antes de assumir.

“O governo que está de saída omitirá algumas medidas e promoverá outras que, de alguma forma, alteram a composição econômica dos próximos anos”, comentou Lacalle Pou sobre uma transição formalmente tranquila, mas ríspida devido à divergência de ideias dos governos que entram e saem, em particular no plano fiscal.

Entre os ministros de Lacalle Pou, o ex-candidato à presidência do Partido Colorado, o liberal Ernesto Talvi, que será chanceler, e a economista Azucena Arbeleche, que assumirá as rédeas da economia em meio ao aumento do desemprego, fechamento de empresas e déficit fiscal persistente de quase 5% do PIB.

O senador Jorge Larrañaga (PN), que promoveu uma reforma de segurança que endureceu as penas contra o crime – um projeto rejeitado nas urnas -, será ministro do interior e enfrentará uma taxa crescente de homicídios que em 2018 subiu 45% para um nível recorde para o país sul-americano.

Lacalle Pou substituirá Tabaré Vázquez em 1º de março de 2020 para um mandato de cinco anos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.